Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Alerta das Estrelas
Francisco Ederaldo...
R$ 77,70
(A Vista)



Memórias do Velho...
Heráclito Júlio...
R$ 37,70
(A Vista)






   > A Origem dos Traumas de Infância



Carolina dos Santos Faustino
      CRôNICAS

A Origem dos Traumas de Infância

Todo ser humano tem, nem que seja, um colega para se distrair, ou um amigo fiel, ou uma companhia, mesmo que seja insignificante. Dentre esses exemplos e muitos outros, encontramos as pessoas problemáticas, pessoas que têm a capacidade de viver somente com 2% do cérebro ligado. Digo isso pois "ilustres" colegas meus sofrem disso, costumo chamar de "trauma infanto-juvenil", se você nunca ouviu dizer, então vai pra... Ok, eu explico.
Todo pai (inclui a mãe também) gosta de paparicar, agradar e brincar com seus filhotinhos quando estes são ainda bebês. Uma das estratégias são as "cantigas de ninar" que, ao meu ver, deveriam se chamar "cantigas pra seu filho eternamente se traumatizar". Há quem diga que isso é apenas uma fase, que quando chega a idade adulta, o filho esquece de tudo. Perfeita mentira. Darei três exemplos:


Quando pequeno, Pedrinho ouvia: "Nana nenê, que a Cuca vem pegar, papai foi pra roça, mamãe foi trabalhar". Vinte anos se passaram e Pedrinho (Pedrão agora) tem trauma se assistir Sítio do Pica-pau Amarelo por conta da Cuca.


Quando pequeno, Gervásio ouvia: " Boi boi boi, boi da cara preta, pega esse menino que tem medo de careta". Vinte anos se passaram e Gervásio virou o mais temível caçador de gado deste mundo.


Quando pequeno, Natan ouvia: "Lá em cima do piano tem um copo de veneno, quem beber vai morrer, e o culpado eu não vou ser". Vinte anos se passar e Natan viu um copo de veneno sobre o piano. Bebeu. Morreu. E antes que você pense besteiras, a culpada não fui eu!

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui