Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Passagens-01-007
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Preto no Branco - Verso...
Levi Beltrão
R$ 44,50
(A Vista)






   > Onisciência X Livre arbítrio



Alexandre de Oliveira Junior
      PENSAMENTOS

Onisciência X Livre arbítrio

Uma boa definição de onisciência é: " Onisciência ou omnisciência é a designação de uma capacidade de se poder saber tudo, em todos os lugares, ao mesmo tempo, e infinitamente como por exemplo ocorre na literatura.
Na maioria das religiões monoteístas
 esta habilidade extraordinária é tipicamente atribuída a um único Deus supremo, como se mantém tradicionalmente no sistema religioso cristão e maometano"

Bem, se um ser conhece tudo, ele conhece o futuro também....se ele conhece o futuro é porque ele o planejou ou conhece quem planejou....ora, se este ser já planejou o futuro e tudo já está pré-determinado, como pode ter dado livre arbítrio a outro ser??? Como outro ser pode ter o direito de "escolha" se o futuro já está feito????

Ai, alguns dizem: " Mas, o homem faz seu futuro......" Então, quer dizer que o deus não sabe de tudo então e se equivocou ao planejar o futuro???

Como pode existir um ser onisciente e que tenha dado livre arbítrio a alguém?? Será que alguém pode me esclarecer esse paradoxo com respostas concretas, sem mitos, lendas e misticismos???

O ato de tomar uma certa decisão já não existe caso o ser onisciente exista; é uma questão lógica simples até. Caso o ser onisciente exista, o livre-arbítrio não podo existir simultaneamente, pois um, logicamente, invalida o outro.

Falando um pouco sobre sexualidade, pois é um tema muito abordado pelas religiões, podemos dizer que a premissa da maioria das filosofias monoteístas condena um comportamento sexual que não seja o padrão estabelecido em suas doutrinas e comumente dizem que o livre-arbítrio é responsável por divergências do padrão, mas, imendiatamente, vem-nos à mente a questão:  E como fica a onisciência do ser supremo? Se ele já sabia que aquela pessoa teria um comportamento fora dos padrões, como ousa em condená-lo assim sem sequer considerar outros quesitos?

Portanto, alguma coisa deve estar errado com esta lógica...Ou o ser supremo existe e é  onisciente ou o livre-arbítrio existe. Nunca os dois ao mesmo tempo.

Outro problema que enfrentamos quando consideramos a onisciência são os erros gritantes cometidos por todas as religiões. Quando consideramos o Cristianismo vemos que ao longo de sua história opiniões sobre certos assuntos foram sendo mudadas conforme o contexto histórico e social. Até o século XVI a igreja católica e mais precisamente o papa - segundo a tradição cristã é o representante direto do ser supremo - diziam que a Terra era chata e não esférica, diziam que a Terra estava no centro do Sistema Solar, sendo esta a verdade onisciente passada para os humanos até então. Com o avanço das ciências naturais, especialemente com Copérnico e Galileu a verdade do ser supremo não tinha mais como ser sustentada e a posição da igreja mudou e passou a aceitar a teoria científica. Oras, e como fica a sabedoria do ser supremo que até então dizia que as coisas eram de outra forma? Como um ser que sabe sobre todas as coisas pode ter se equivocado com algo tão simples que simples macacos conseguiram decifrar? Ou sua onisciência não é bem desta forma, ou este ser anda um pouco desatento.

O último exemplo que cito tem também a ver com a Igreja Católica e sua história. Trecho retirado do blog: www.sensacionalista.com.br
"
 O anúncio foi feito hoje pela manhã pelo Papa Bento XVI na tradicional missa da Basílica de São Pedro. “Hoje é o dia de repararmos um erro que viemos cometendo durante anos: os gays também têm alma”, disse o Papa, em tom solene. A igreja, porém, disse que continuará proibindo o casamento gay."
"Dutrante anos", ele foi bem bonzinho nessa parte, que me recordo, nunca na história da Igreja algo do tipo fora aceito, são lá o que? 1800 1900 anos? rs....

Como pode o representante direto do ser onisciente cometer tal erro, e ainda, na minha opinião persistir no erro, né? Se reconhecem que tem alma, que sofrem como qualquer outra pessoa, qual a lógica de proibí-los de ter os mesmos direitos dos outros? Não entendo...Nunca vou entender....

Fica aqui registrado um pouco do meu pensamento sobre a filosofia cristã. 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui