Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ressurgindo do Nada
Rosângela Inês Renz...
R$ 21,55
(A Vista)



SÓCRATES: o filósofo...
Kairon Pereira de...
R$ 26,80
(A Vista)






   > O HOMEM QUE ENFIOU O PÉ NO VENTILADOR



LEOMAR BARALDI
      CONTOS

O HOMEM QUE ENFIOU O PÉ NO VENTILADOR

Germano chegou no trabalho naquela manhã com o pé engessado. Todos os colegas ficaram preocupados com ele. Alguns previam hipóteses, outros confabulavam sobre o possível acidente que teria comprometido o pé de Germano.
-E aí, cara, conta o que foi?
Ele ficou uns segundos indeciso.
-Do pé? –perguntou ele.
-É! Do pé!
-Enfiei o pé no ventilador.
-Pai do céu! Mas como!?
-Uai! Enfiei o pé no ventilador. As pessoas não podem enfiar o pé no ventilador?!
Germano não podia contar a verdadeira história, todos iriam rir dele. Contar não.
-Sim... Tudo bem... Não precisa ficar assim. Acidentes acontecem.
Durante aquele dia não perguntaram mais nada a Germano. Ele foi para o ambulatório da empresa, foi medicado e deram a ele duas semanas afastado.
Foi um comentário geral. Uns queriam saber o que realmente havia ocorrido. Outros tentaram ligar para a casa de Germano ou para o celular dele, mas sempre dava evasivas. Amigos mais chegados foram até a sua casa, dar um apoio, levar um pouco de solidariedade. Todos com o objetivo de arrancar dele a tão almejada informação. Como foi enfiar o pé no ventilador? Germano mudava de assunto na hora, desconversava, inventava uma desculpa e ia para o banheiro para disfarçar.
Aquela desatenção de Germano para com os amigos estava despertando dúvidas cada vez mais abissais entre todos. Uma pessoa enfia o pé no ventilador. Isso não é todo dia que se ouve falar. O que mais levantava suspeitas era o modo como Germano fugia de perguntas mais contundentes. Por que ele não queria responder? Certamente estava escondendo a verdadeira versão ou queria proteger algo ou alguém. Devia estar metido numa escaramuça, e queria ficar quieto, ficar na sua.
E se fosse uma organização criminosa? Sim, Germano podia estar sendo vítima de uma organização criminosa com ramificações em todos os setores da sociedade. O pé lesionado seria um acerto de contas. Ele deve ter descumprido alguma tarefa. Os homens ficaram furiosos e deram um corretivo em Germano.
-É isso mesmo. –concluiu um dos amigos de Germano, de olhos arregalados.
Sem Germano saber foram até um distrito policial em Itaquera. Contaram tudo para o investigador chefe.
-Pode ser a máfia chinesa. –repetiu Eliakim, o primo de Germano para o policial.
-Não vamos contar nada pra ele. Acho que ele não quer a polícia nessa jogada. Entendem?
Foram acionados agentes especiais para o caso. A ordem era ficar vinte e quatro horas de olho em Germano. Foram grampeados todos os telefones de Germano. Um carro comum com dois investigadores à paisana foram designados para ficar na cola dele.
A vida de Germano virou uma montanha-russa. Não tinha sossego. Percebeu o carro azul sempre próximo à sua casa. Percebeu que onde ia  o carro ia atrás.
-Maria, estou sendo seguido.
-O que, Germano?
-Estou sendo seguido. Não viu o carro azul? Ele nos segue todos os dias.
-Que carro azul, benhê?
-Ah, essas mulheres! Aquele carro azul. Olha lá.
-Ai, credo.
-Viu? Então. Estou sendo seguido. Você não percebeu o telefone grampeado também.
-Nosso telefone grampeado? Ai, credo!
Germano ficou intrigado, nem dormia direito. Lembrou-se do tempo de jardineiro. Fora jardineiro de um assessor a deputado. Mas foi há tanto tempo. Não pode ser. Aquele inferno voltaria? 
No outro dia pela manhã a mulher de Germano acordou com ele a cutucando.
-Temos de deixar este país. –disse ele.
Apontou as malas.
Nem clareava o dia direito e Germano planejava de fugir. Alugara um carro, deixaria o seu na garagem para enganar os agentes. Sairia pelos fundos. Quando os investigadores dessem por falta deles já seria tarde.
Guiou durante horas, já estava próximo da fronteira com o Paraguai. Nesta altura dos fatos os agentes deram por sua falta e da mulher. O alarme foi dado.
-Esse Germano deve ser membro de uma organização criminosa mesmo. –rosnou o investigador chefe.
Foi montado um esquema de captura. A foto de Germano foi enviada a todos os postos de fronteira. Todo o efetivo da Polícia Federal foi mobilizado. Germano apareceu em todos os noticiários. Especialistas em computação gráfica com a ajuda de espiões do antigo AI-5 chegaram à comparação perfeita com o rosto do desaparecido Germano Joakstikan, o general durão, o general impiedoso que torturava e matava no antigo regime de ditadura. O general que fora condenado por seus crimes. O general que todos da imprensa deram por desaparecido.
-Quero ele vivo! –bradou o sargento da polícia de fronteira.
Germano da Silva Pereira, padeiro. Foi cercado e preso, levado para dar declarações. Se tornou uma lenda histórica. Toda a imprensa a seus pés. Todos queriam saber o que ia falar.
-Gente. Eu enfiei o pé no ventilador porque o ventilador estava muito próximo da cama, e eu fui me posicionar para fazer amor com minha mulher, acho que calculei mal meus movimentos e enfiei o pé no ventilador. O ventilador caiu, foi aquela barulheira, o cachorro latiu.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui