Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abrindo a caixa preta...
Silmara Aparecida Lopes
R$ 38,50
(A Vista)



Os filhos di dora
Carlos Augusto Vieira
R$ 67,40
(A Vista)






   > Os ipês amarelos da estrada de Jabó



Amarilia Teixeira Couto
      CRôNICAS

Os ipês amarelos da estrada de Jabó

Os ipês amarelos da estrada de Jabó



O tempo anda tresloucado,mas, apesar de tudo, nada é mais surpreendente do que a natureza.Sempre tive um encantamento pelos ipês.Acho uma das árvores mais lindas que existem ,além de considerá-las extremamente filosóficas.É que toda a sua esplendorosa beleza fica invisível durante o ano, como uma noiva apaixonada e cheia de escrúpulos , que se resguarda ao olhar ansioso do noivo e não deixa nada se revelar antes do tempo. 
 
E por falar em tempo, como anda de ponta-cabeça, mudando as estações, encurtando o outono, menopausando o inverno ( calorão misturado com um frio suave em alguns dias e um frio intenso em outros), transformando primavera e verão em gêmeas idênticas (ou quase).Com isso , os ipês maravilhosos também deram de engalanar a natureza em períodos tão distintos de antigamente.Antes a floração abria a primavera.Depois passaram a dar o ar da graça no final de julho e início de agosto.Agora eles estão mais atentos à carência humana de uma contemplação que encha a alma, que enterneça os olhares tão cansados da crueza da vida.E, os lindos ipês, estão florindo em junho, julho, agosto e setembro.

Acabei de passar pela estrada de Jabó ( Jaboticatubas para os íntimos) .A explosão de amarelo seduz todos os olhares de quem passa por ali.Não dá para ignorar a profusão de flores caídas no chão, formando um imenso tapete para carros, ônibus, caminhões e transeuntes.A paisagem já castigada pela estiagem nesta época do ano se transforma como pura magia.É como se Deus usasse sua varinha de condão para se revelar ao povo que anda tão afastado d’Ele,como a dizer: Estou aqui, em cada flor caída na estrada, em cada árvore dourada para que sintam o meu carinho, a minha presença
.
E por que acho essas belas árvores guardiãs de uma preciosa filosofia? É que a sua beleza tão fugaz e única faz delas um tesouro protegido na natureza.O que é bonito não precisa ser eterno posto que uma vez que a beleza é capturada pelo olhar, ela se torna indelével , passa a povoar as nossas lembranças definitivamente.

Enquanto passava pela estrada de Jabó...


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui