Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (131)  

 
 
Dessistematizando e...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 0,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL

Conquistas,apenas uma...
Itiel Monteiro de...
R$ 26,80
(A Vista)






   > Então, fiquemos assim...



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

Então, fiquemos assim...

Não mais lhe direi o que não quer ouvir
Nem farei do meu desejo
O álibi pra não vê-lo partir
Não tema o meu choro
Pois não o derramarei
Muito menos me arrastarei
A seus pés
Lembrando a(nossa) música de Elis.

É melhor que se vá
De vez da minha vida
Se já não vejo em seu olhar
A ternura de antes
Se não mais sinto em nós
A cumplicidade de amantes
Sequiosos da pele
Da boca
E do olhar um do outro

Quando o amor se cala
E nada mais existe nos silêncios
E o riso não se manifesta no abraço
Ah, não tem mais jeito
O que foi já se desfez
De vez
Sem clemência
Sem chance a um equívoco
O oco
O vazio
É o que resta do que foi intenso
E lindo
Mas que é amor findo
Amarelado
Apagado

Mas vá
Pegue a estrada da vida
Por certo
Encontrará outra querida
“E se olhares bem nos olhos meus
Verás que o meu olhar já é de adeus”
Fiquemos assim:

Você na sua
E eu em mim
Até que a vida nos presenteie
Com um novo amor.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui