Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
Estátuas-02-161
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Conquistas,apenas uma...
Itiel Monteiro de...
R$ 26,80
(A Vista)






   > O motel do aposentado



Airo Zamoner
      CONTOS

O motel do aposentado



– Bem que te avisei pra não fazer aquele empréstimo! Agora tá aí o problema, Zé!
– Mas que foi bom, foi. Não foi, nêga? Veja só esse rometíate aí. É de lascar, hein?
– Só que agora não temos mais como pagar essa porcaria e o Banco vai vir em cima da gente...
– É, mas nos idos de 2005, você não falou nada quando cheguei com aquela bolada e joguei tudo na mesa... Você lembra o que foi que disse?
– ...
– Não fique aí quieta, fingindo que não!
– ...
– Eu lembro muito bem! Quer que eu diga, quer?
– Tá bom! Eu disse que queria ir... ah, deixa pra lá. Você sabe que eu tinha curiosidade. Nunca tinha entrado num lugar desses...
– E você gostou tanto que repetimos umas dez vezes nesses três anos... Acha que o dinheiro veio de onde?
– Por falar nisso, estou com uma vontade danada de ir lá de novo...
– Tá vendo? E fica aí me condenando... Eu sei de um novo que abriu lá na estrada das praias... E um outro que abriu aqui em Curitiba. Acho que em Santa Felicidade.
– A gente podia ir almoçar lá no domingo e esticava a tarde inteira naquela cama redonda.
– Nunca vi como você fica safadinha quando vamos lá. Nem parece você mesma...
– E você fica tão à vontade... Desconfio que já andou nesses lugares antes.
– ...
– Não fique aí quieto, fingindo que não!
– ...
– Quero saber com quem que você já foi lá. Com quem, Zé?
– Pare com isso, nêga! Só fui fazer um serviço de pedreiro, ora essa!
– Ah, é? E como é que você sabe que abriu um motel novo em Santa Felicidade?
– ...
– Estou esperando... Foi com a mesma, é? Quem é essa... essa... sirigaita?
– ...
– Vamos! Depressinha!
– Isso nem interessa mais...
– Engraçadinho! Mas se descubro, você vai ver com quantos paus se faz uma da boa!
– Uma canoa, nêga! Canoa!
– Patroa? Então, seu miserável, você foi lá com a patroa? Aquela perua?
– Tá sonhando, nêga? Que patroa? Não tenho patroa, pô! Sou aposentado, lembra? Eu só corrigi a besteira que você falou. Esse negócio de com quantos paus se faz uma patroa...
– O quê? Pau na patroa? Então é isso?
– Sua burra! Estou dizendo que a frase certa é: ...com quantos paus se faz uma canoa e você disse com quantos paus se faz uma patroa... não... uma...
– O que interessa é como vamos fazer agora, Zé! Você fica aí, revirando essa carta do banco, mas tá tudo bem claro. Ou paga, ou se ferra!
– É simples, nêga! Agora você vai a um outro banco e pega lá mais uma bolada dessas em seu nome. A gente paga as “prestação atrasada” de meu empréstimo e fazemos mais uma farra. Que tal?
– Não seja burro, Zé... O governo mudou...
– Burro? Burra é você!
– Zé! Acorda, Zé!
– O que foi?
– Acho bom a gente ir embora. Sua nêga vai acabar desconfiando aqui da patroa. Além disso, daqui a pouco a diária do motel vai dobrar...

Airo Zamoner é escritor
http://www.protexto.com.br


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui