Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2513)  
  Resenhas (130)  

 
 
R$ 25,00
(A Vista)



45 dias e noites
Nadia Rockenback
R$ 30,00
(A Vista)






   > Propaganda enganosa



Amarilia Teixeira Couto
      ARTIGOS

Propaganda enganosa


Propaganda enganosa


Márcio Lacerda diz que mudou tudo nas escolas municipais, o que não é verdade.A Escola Plural ( que apenas começou a sair do papel na gestão de Patrus, em 95),poderia ser considerado o maior projeto pedagógico da Rede se os outros prefeitos tivessem feito a sua parte.A falta de recursos impossibilitou o aumento do número de professores e outros profissionais que dariam suporte aos educadores ( a Escola Plural é inclusiva por excelência, isto é, não discrimina aluno), inviabilizando por completo o avanço do projeto.No entanto, o que havia sido implementado continua em vigência até hoje, como a organização em ciclos e uma reprovação mais racional, uma vez que é decidida no coletivo.

Quanto ao famigerado boletim que a propaganda do Lacerda diz que passou a ter um rigor maior em sua gestão, é outra falácia. O boletim nunca deixou de existir.Aceitar tal afirmação é dizer que as escolas sempre foram incompetentes.Como pode um professor avaliar seu aluno sem fazer o devido registro com seriedade? O que houve mais recentemente foi a padronização do boletim.Mas isso aconteceu em 2008,ainda na administração de Fernando Pimentel ,que também implantou a Escola Integrada que nada mais é do que um desdobramento da Escola Plural, juntamente com a EJA e todos os outros projetos voltados para a inclusão escolar.

O que a propaganda do atual prefeito não mostra é que muitas escolas estão vivendo um verdadeiro caos pela falta de professores, uma vez que a PBH proibiu a contratação para cobrir as eventuais licenças.Além do mais, os educadores andam exaustos por tanta cobrança em relação às avaliações externas, como o Ideb e o Avalia-BH.Estaria tudo bem se, junto às exigências, existissem o diálogo, o respeito, o reconhecimento ao trabalho pedagógico

E o que dizer da maneira pouco democrática no trato com os profissionais da Educação, pela falta de diálogo com a categoria? Se viesse à baila o que foi feito em relação à melhoria salarial dos educadores, seja do ensino fundamental e/ou da educação infantil?Seria pertinente que o sr Márcio Lacerda ressaltasse os ganhos reais dessa categoria sempre tão criticada e nunca devidamente atendida em suas necessidades.

É claro que se a mídia mostrasse a realidade atual das escolas da Rede, se a comunidade escolar manifestasse sua insatisfação em relação à falta de pessoal e à insegurança pela violência crescente dentro e fora da escola e também em seu entorno, entre outros problemas,o atual prefeito não estaria liderando as pesquisas
.
Mas voltando ao BOLETIM (assim mesmo, em maiúsculas) que ele mostra em letras garrafais em seu programa, seria uma piada, se não fosse trágico.Com tantos e graves problemas relacionados às escolas,atribuir a qualidade da educação municipal a um mero registro é, no mínimo, reduzir a educação a NADA.

Creio que qualquer profissional da educação tem o dever de ser politizado, pois o processo educacional em si mesmo é político.Agora aceitar comodamente todo o descaso que o prefeito atual teve com a categoria é abrir mão da dignidade profissional
No dia em que todas as escolas trabalharem dentro de um contexto sócio-político, formando cidadãos críticos e participativos, estaremos no caminho certo para a consolidação de nossa (ainda) incipiente democracia.E poderemos ter um país mais justo para todos.

O voto é um direito.Procurar participar como cidadão é um dever


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui