Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2512)  
  Resenhas (130)  

 
 
Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)



Abstrato-03-772
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Afinal, quem deu asas à lagarta?



JOSÉ REINALDO FELIPE MARTINS FILHO
      CRôNICAS

Afinal, quem deu asas à lagarta?

Afinal, quem deu asas à lagarta?
 
Afinal, quem deu asas à lagarta? Pergunto-me, atônito, diante de tão surpreendente metáfora da vida. Como conceber que aquele ser viscoso, rastejante, quase vil, possa se mudar em tão bela criatura, feita para os ares e para o beijo das flores? Quem lhe deu as suas asas? Quem, por um presente, lhe elevou às alturas?

– Certamente, não fora o homem. O homem jamais voou, exceto por artifícios outros. E caso pudesse conceder esse mérito a alguém, o faria a si mesmo e não à lagarta. Ser desprezível! “Que desperdício oferecer-lhe asas”, pensaria o homem.
– Quem sabe a divindade tal regalo lhe fizesse. Voar é próprio dos anjos e das criaturas celestes! As aves a eles se assemelham, senão pelas penas, ao menos pela proximidade com o azul. Ora o azul do céu, ora o azul das águas, dos oceanos e dos rios. A ninguém espanta que as aves voem. Voar lhes é próprio. Mas, quanto à lagarta, quem lhe deu as asas?

– Talvez as suas asas não lhe tenham sido dadas. De algum modo, desde sempre, à lagarta pertencessem. Mas, por que somente agora? E, por que, não desde o ovo?

– Rastejar-se sobre o solo, inferior aos outros seres. Como se isso não bastasse, não fosse preço razoável, submissão satisfatória, ainda há que alimentar-se do seu cocô. Constantemente refém de todos os outros. Desprovida de defesas que lhe assegurem a vida. Por que não, desde o início, o céu é o seu lar? Ao contrário dos pássaros, que, infantes, se projetam no azul, suas asas lhe foram dadas. Não nasceram consigo.

– Mas, afinal, quem deu asas à lagarta?

– Afastar-se dos demais e recolher-se no casulo, eis a fórmula da conquista de suas asas. Ninguém outro poderá conceder-lhe tamanho dom, apenas esta dupla: o silêncio e o tempo. Silenciar-se para o mundo e recolher-se para dentro. Voltar-se para sua própria casa, construindo-a. Dar tempo para que o silêncio inicie a transformação. O recolhimento é o preço da mudança e o seu prêmio é a conquista de si mesmo. Do chão às alturas, por suas asas.
                                                                      
José Reinaldo F. Martins Filho  
29 de agosto de 2012 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui