Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Secretaria do Oeste
Evaldo Cassol
R$ 43,20
(A Vista)



Contradições
Marcos de Sena Pereira
R$ 30,50
(A Vista)






   > Meu amigo Baú



Kate Lúcia Portela de Assis
      INFANTIL

Meu amigo Baú

Era uma vez uma menina.
Era uma vez um baú.
Era uma vez uma menina e seu Baú.
E eles eram inseparáveis!
E era noite...
E a menina guardava tudo dentro de seu Baú: cadernos, bonecas, livrinhos, jogos, lápis, bichinhos de pelúcia, escovas, vestidos, sapatos, medos, mágoas, tristezas, raivas e...
- Espere aí!
Medos, mágoas, tristezas e raivas?!
- E isso se guarda em Baú?...
Não sei... mas que a menina guardava... guardava!
E o Baú ia ficando cada vez mais cheio.
E era noite...
E os pais a repreendiam.
- Larga desse Baú, menina! – gritava a mãe.
- Ah, vai logo brincar com seu Baú, vai, menina! – gritava o pai.
E cada vez que a menina levava uma bronca...
Ela guardava seus sentimentos no Baú.
E cada vez que a menina brigava com suas amiguinhas...
Ela guardava seus sentimentos no Baú.
E cada vez que a menina tinha medo do escuro...
Ela guardava seus sentimentos no Baú.
E era noite.
E cada vez o Baú ia ficando mais cheio, mais cheio, mais cheio.
Até que um dia o Baú encheu de vez.
Não cabia mais nada!
Nem uma raivinha, nem uma bonequinha.
Mem uma tristezinha, nem uma escovinha.
Nem um medinho, nem um sapatinho.
E era noite.
E a menina teve que pedir ajuda à mãe,
- Vamos arrumar esse Baú, filha? – propôs a mãe.
E a menina e a mãe começaram a pôr ordem no Baú.
Mas era muito trabalhoso!
E o papai começou a ajudar.
E a vovó começou a ajudar.
E o vovô começou a ajudar.
E os tios e as tias resolveram colaborar.
E os priminhos e as priminhas resolveram colaborar.
E os amiguinhos e as amiguinhas resolveram colaborar.
Veio até uma tal de terapeuta.
E o Baú ficou mais leve, mais leve, mais leve.
Os medos diminuíram...
Da mágoa não se ouviu mais falar...
A tristeza foi-se embora...
A raiva foi desaparecendo...
E o baú se transformou, como num passe de mágica, em um simples...
Baú.
Um Baú onde a menina passou a guardar seus tesouros:
Uma foto do papai e da mamãe.
O guarda-chuva da vovó.
O chapéu do vocô.
Um livro dos tios.
Brinquedos dos priminhos.
Bonecas das amiguinhas.
Desenhos para a terapeuta.
E o Baú se encheu de Magia,
De Harmonia,
De Fantasia,
E dia Dia!
Porque a noite... a noite passou!...
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui