Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)



O conto de Ruan e sua...
Willians Vieira dos...
R$ 61,40
(A Vista)






   > Pollyanna



Kate Lúcia Portela de Assis
      ARTIGOS

Pollyanna


 
“A alegria não está nas coisas: está em nós.”
                                                 (Goethe)
Você conhece o jogo do contente?
Esse jogo consiste em encontrarmos alegria em tudo aquilo que nos acontece.
Ele nos é apresentado no romance “Pollyanna”, da escritora Eleanor H. Porter e simplesmente encanta o público de todas as idades.
No livro, o pai de Pollyanna ensina o jogo do contente à filha quando a menina recebe um par de muletas para crianças no lugar da boneca que havia pedido.
A alegria da situação, de acordo com a lógica do jogo, consistia em a garota ficar feliz justamente por não precisar das muletas.
A menina Pollyanna cresce aplicando o jogo do contente até mesmo nas situações mais difíceis com que se depara.
Sem dúvida, trata-se de um clássico da literatura infanto-juvenil, que deve ser apresentado aos alunos.
A professora Daniela Paula de Braga disponibilizou uma aula na internet para que os professores pudessem trabalhar com esta obra em sala de aula.
Ela sugere que, após a leitura do livro, os alunos façam cartazes ilustrando os momentos principais da história.
Isso é importante até para se pôr em discussão quais seriam as funções das ilustrações nos livros, se elas consistem apenas em repetições visuais do conteúdo textual ou se podem apresentar inovações e novos olhares envolvendo o texto narrado.
Em outra oportunidade, a professora sugere que se escolham alguns alunos para interpretarem a cena em que Pollyanna explica para Nancy o que era o jogo do contente.
De fato, essa é uma das cenas principais do livro e realmente merece um destaque, que será alcançado por meio da linguagem teatral. Esse diálogo entre a história narrada no livro e o teatro enriquecerá bastante a releitura da obra.
Em nova aula, a professora sugere que se divida a turma em duplas para que elas apliquem o jogo do contente em várias situações: (a) não tenho TV no meu quarto, (b) tirei nota baixa em matemática, (c) deixei minha casquinha de sorvete cair, (d) não ganhei o presente que estava esperando em meu aniversário, além de outras circunstâncias mais.
Além disso, a professora sugere que se passe o filme “Pollyanna”, de Walt Disney, para a turma e, em seguida, aconselha que se peça para que os alunos comparem o filme com o livro.
            O diálogo proposto entre a obra literária e a cinematográfica permitirá que eles percebam que cenas foram priorizadas, que trechos foram omitidos, como as personagens foram caracterizadas no cinema a fim de se alcançar a adaptação da obra para o filme, extraindo muitas lições preciosas.
De fato, essa proposta de aula baseada no livro “Pollyanna” é riquíssima.
O romance de Eleanor Porter é considerado, por muitos, como um precursor das obras de autoajuda, pois trata de uma transformação para a vida, pautada no otimismo e na alegria de viver.
Esse livro propicia a divulgação de valores éticos e morais que culminam no aperfeiçoamento da formação ética e moral de crianças e jovens.
Deste modo, a Literatura cumpre o seu papel de promoção das pessoas, pois as forma, reforma e transforma.
Afinal, como afirma Mário Quintana, “livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas, os livros só mudam as pessoas”.
                

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui