Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Refletindo sobre EaD e...
Cléber Lemos
R$ 38,50
(A Vista)



Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)






   > Tistu



Kate Lúcia Portela de Assis
      ARTIGOS

Tistu

“- Em que é que você está pensando, Tistu?
- Estou pensando que o mundo podia ser bem melhor do que é.”
 
 
Era uma vez um menino do dedo verde.
Verde, símbolo da natureza.
Verde, símbolo da esperança.
Tistu transformou a cidade de Mirapólvora em Miraflores, com seu dom de semear flores onde quer que tocasse.
A obra de Maurice Druon é calcada em várias antíteses: guerra x paz, morte x vida, tristeza x alegria, humanidade x angelitude.
É interessante frisar que esse menino tão especial simplesmente dormia nas aulas.
Aulas?
Jaulas.
Tistu passa a estudar com o jardineiro Bigode e com o gerente da fábrica de canhões, o Senhor Trovão.
E aprende, fazendo.
E aprende, vivendo.
Aprende a aprender.
Tistu é uma criança que protege os adultos.
Do abandono.
Do desespero.
Da rejeição.
Do desamor.
O menino do dedo verde escreve poesias no ar.
E evoca o cheiro da terra molhada.
E evoca o canto dos pássaros.
E evoca o sabor agridoce.
E evoca o aperto de mãos.
E evoca a visão do arrebol.
Capaz de encantar os alunos, capaz de lhes ensinar lições sobre o respeito à natureza, a busca da paz e da fraternidade.
Trabalhar com esse livro na sala de aula significa abrir as portas da escola para uma mensagem constituída de valores universais que enriquecerão o repertório moral e intelectual dos alunos.
Como professora, eu faria com meus alunos uma maquete da cidade de Mirapólvora e outra da cidade de Miraflores.
Faria dobraduras de flores com eles, como tulipas e rosas e enfeitaria a sala de aula com elas.
Transformaria os dez dedinhos de Tistu em personagens: como se relacionaria o dedo verde com os outros dedos? Haveria colaboração? Haveria competição?
Proporia a produção de um texto sobre a escola de Tistu, com base, igualmente, na frase de Rubem Alves: “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”.
Estimularia a criação de outros personagens: como seria o menino do dedo azul, do dedo amarelo e do dedo vermelho?
Enfim, curtiria, e muito, todas essas brincadeiras literárias, com meus alunos.
E se Tistu semeava flores, como professora, quero semear ideias!...
 
Kate Lúcia Portela é professora, escritora e contadora de histórias.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui