Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abstrato-02-600
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Elixir do amor - A cura...
Michele Stringhini
R$ 34,90
(A Vista)






   > De cigarras e de formigas



Kate Lúcia Portela de Assis
      ARTIGOS

De cigarras e de formigas

Certamente, você já leu a fábula da cigarra e da formiga.
Lembra-se do final?
A formiga nega ajuda à cigarra, quando esta bate à sua porta com fome em pleno inverno.
“Pois que cantavas, agora dança.” – afirma a formiga com ironia.
E a formiga bate a porta na cara da cigarra.
Forte, não?
Essa fábula pretendia  ensinar à criança o valor do trabalho.
Assim?...
E o valor da solidariedade?
E cantar não é, por ventura, um trabalho?
Felizmente, com o passar do tempo, apareceram outras versões dessa fábula.
Surgiu a ‘formiga boa’.
Essa ajuda a cigarra, ofertando-lhe abrigo e comida.
Faz mais.
Confidencia que o canto da cigarra alegrava suas manhãs e lhe dava mais disposição para o trabalho.
Conheço uma versão engraçadíssima em que a cigarra se torna uma cantora famosa e a formiga fica injuriada e que ‘dar uma surra’ no autor da fábula original, pois se sentiu enganada pelo autor, que teria feito a cigarra se dar mal no final da história.
Já tive a oportunidade de coordenar uma oficina de contação de histórias para crianças, na qual apresentávamos a versão da formiga boa e a versão da formiga ‘má’.
As crianças escolheram qual das duas versões queriam contar.
Todos os grupos escolheram a versão politicamente correta.
Eles coloriram as figuras da história.
Colocaram-nas na sequência correta.
Colaram-nas no cartaz.
E recontaram a história em trios com o uso desse material.
Cada um recontou um pedacinho da trama.
Estratégia excelente para se trabalhar com oralidade, não acham?
Adoramos a experiência!
Após, eu poderia ter pedido para que eles reescrevessem a história, para incentivar a produção textual...
Além disso, o professor pode explorar os conceitos de texto base e versão, bem como os de ética e cidadania ao confrontar as duas versões.
Fica a dica.
Afinal, nosso trabalho, como educadores, não é o de formiguinhas?
E das boas!...
 
Kate Lúcia Portela de Assis é professora, escritora e contadora de histórias.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui