Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Passagens-02-082
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Os exageros do facebook



Alva xavier
      CRôNICAS

Os exageros do facebook

Exagero! Isso mesmo. Resolvi falar sobre isso porque muitas vezes me sinto incomodada. Qualquer assunto no facebook faz uma diferença danada e as pessoas estão sempre de olho, não querem perder nenhuma publicação, observo como nada passa despercebido.

Tem gente que faz do facebook diário, conta tudo que lhe acontece e publica cada passo do dia, para onde vai e de onde veio. Acho isso perigoso e desnecessário. A pessoa pode até ser perseguida, às vezes você não sabe quando tem um inimigo. Quem assistiu ao fantástico, exibido em 21 de outubro de 2012 compreende melhor o que venho dizer.

Há aqueles que ficam jogando indiretas e fazendo declarações de amor para quem não tem uma conta no facebook, mesmo sabendo que o destinatário não vai ler a mensagem.

E as “cutucadas”? Quem nunca inocentemente cutucou vários homens e mulheres, acreditando ser um recurso inofensivo para chamar a atenção de amigos com os quais não nos comunicamos havia algum tempo?

Foi só então que descobri a primeira malícia, numa foto do ator José Wilker (personagem do Coronel Jesuíno – novela Gabriela). “Se eu cutucar você é porque quero lhe usar” (expressão usada por ele quando se refere ao ato sexual), depois de pesquisar descobri que a ação de cutucar não era o que eu estava pensando: ela servia para paquerar ou demonstrar interesse sexual por alguma pessoa via rede social.

A gente pensa que se movimenta em um terreno virtual seguro, mas, na realidade cometemos gafes enquanto acha que apenas expressa ao amigo (a) que carinhosamente se lembrou, sentiu saudade e só isso, longe de qualquer outra intenção.

Cometemos engano porque não conhecemos direito os exageros, até porque os sinais são contraditórios e confusos. Diz o guia redigido pela equipe do Facebook que o mecanismo “cutucar” (poke, em inglês) é “uma forma de você interagir com seus amigos no Facebook”. E explica: “Quando criamos o cutucar, nós achamos que seria legal ter um recurso sem qualquer finalidade específica. As pessoas interpretam a cutucada em muitas maneiras diferentes, e nós encorajamos que você venha com seu próprio significado”.

Percebemos qual foi o significado escolhido pela a maioria dos internautas. Um gesto simples, sem finalidade foi convertido em investida sexual.

Algumas pessoas não se veem com capacidade de conquistar a própria vida, de privar a própria vida, então, escandaliza tudo e observa o outro como uma espécie de competição. Sentem-se como se não tivessem recebido o suficiente da vida.

Ao inflacionarmos as expectativas em relação ao outro e a nós mesmos, compramos uma passagem só de ida rumo a irrealidade cotidiana. Onde tudo é perfeito só na timeline do facebook.

E se alguém me perguntar a minha razão para usar o facebook? Devo dizer que além de interagir com amigos, hoje cada vez menos, entendo que, há muito que aprender com o que nos irrita.

Talvez, desejamos encontrar no outro a compensação para os nossos defeitos. As redes sociais criaram tantas questões que, de certa forma, complica nossa vida.

E quando você não curtiu a foto daquele amigo (a), ou um post interessante? Pode ser sinal de um total desprezo. Afinal, “curtir um post” no facebook tornou-se prova de atenção, aquela que não consegue dá no calor de um abraço, ou com uma visita nos dias de folga. Os amigos próximos que não curtem um determinado post seu passam semanas na “geladeira”. Só sai de lá quando voltar a curtir seus posts.

Chego à conclusão que, vivemos no ambiente virtual apenas um simulacro do mundo físico e sem mostrar a cara.

Uma amiga não me compreende por ser comprometida na vida real e não revelar na rede social. Ela sempre diz que, se não me conhecesse bem diria que é porque eu tenho algo a esconder. Simplesmente me divirto com ela, tem um humor admirável. Revelou com risos que sua maior alegria foi colocar “relacionamento sério com fulano” no facebook.

Confesso que, uma vez pedi um namorado para mudar o seu status de relacionamento. Eu explico! Ver o perfil dele como “separado” me incomodava, ele não precisava colocar “relacionamento sério” bastava ocultar – como o meu sempre foi – estando comprometida ou não. Ele mudou e logo após terminamos.

Engraçado, a maioria das pessoas acha que se é casada na vida real tem que se casar no facebook também. O fato é que não gosto de expor minha vida. As pessoas não têm interesse em saber o que se passa comigo, eu penso.

Na minha timeline não tem nada de minha vida particular, acho melhor assim. Não gosto de manter o meu relacionamento sério virtual. Mas, sou consciente de como ele é sério sem os exageros do facebook.

A tendência das redes sociais é criar exageradamente todos os seus recursos. É preciso cuidado com o que acreditar, lê ou comentar.

A internet é aquilo que as pessoas fazem dela, um equivoco qualquer não é fácil reparar, a agilidade torna visível em instantes qualquer informação.

Alva Xavier

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui