Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dança de Salão:...
Maristela Zamoner
R$ 29,80
(A Vista)



Preto no Branco - Verso...
Levi Lima de Oliveira
R$ 44,50
(A Vista)






   > Síndrome do final de ano



Amarilia Teixeira Couto
      ARTIGOS

Síndrome do final de ano

Síndrome de final de ano

"Vai diminuindo a cidade
Vai aumentando a simpatia
Quanto menor a casinha
Mais sincero o bom dia

Mais mole a cama em que durmo
Mais duro o chão que eu piso
Tem água limpa na pia
Tem dente a mais no sorriso"
(...) Simplicidade: Patu Fu


Final de ano taí e,com ele, vem a síndrome do coração solitário.Não há como não perceber que tudo se exarceba quando chega novembro.Tudo lembra Natal, Reveillon,festas,presentes, tumulto. Desde que foi instituído o 25 de dezembro como o nascimento de Cristo ,que as famílias se reunem para festejar a data.É claro que desde o tempo da primeira comemoração até hoje, muita coisa mudou.A cada ano as expectativas em torno dessa data aumenta,Com o advento da industrialização e com o gradativo aumento do poder de compra das pessoas, tudo passou a se resumir em TER. O que antes era motivo de reunião familiar e de amigos, com o intuito principal de lembrar do aniversariante,onde o evento maior era a ceia à meia-noite ( e cada família se contentava com o que podia pôr na mesa), hoje é outra coisa.

Quando chega novembro,as cidades se engalanam em tons de vermelho, verde e dourado.As lojas capricham na ornamentação e se multiplicam a cada canto para não deixar nenhum incauto se esquecer das compras.Nas famílias todos se preocupam com as listas de presentes.Tendo ou não tendo dinheiro.Não importa.Vale comprar em 10 vezes no cartão, endividar-se para o ano todo, mas comprar é a palavra de ordem.E o que dizer das expectativas armazenadas durante o ano? O carro novo, a TV de plasma,o sofá moderno e confortável como o da vizinha, o celular mais cobiçado pela galera e por aí vai.

Mas o mais preocupande refere-se a outro tipo de expectativa: a do amor.As pessoas passam o ano entre rusgas e frustrações.Brigam com pai, mãe,filho, namorado (a), cônjuge, vizinho, patrão e, no final de ano,entram em crise existencial. Como ter alguém com quem confraternizar? Como abraçar e beijar alguém com quem não se harmonizou durante o ano? Difícil,né? Tudo que é ligado a sentimentos   é construção. Amizade se constrói ( e como!), casamento, namoro, laços familiares também.
Então de nada adianta criar expectativas que o final de ano será mágico, estonteante, belo, se no dia a dia não se cuidou do afeto, não se exerceu o carinho, não se praticou a caridade.De nada adianta querer um(a) parceiro (a) para abraçar e beijar muito, para brindar na hora da ceia ou na chegada do Ano Novo se o exercício da cumplicidade,do companheirismo, da fraternidade não se deu o tempo todo.

Particularmente esta época do ano não me agrada muito.Faço coro às vozes discordantes em relação à coreria, ao exagero que toma conta da maioria quando chega novembro.Acho que reverenciar Jesus Cristo é tarefa para todos os dias, principalmente tentando colocar em prática os seus ensinamentos.Para mim a verdadeira alegria se resume na SIMPLICIDADE, no se alegrar com o que não se compra em lugar algum, com aquilo que é genuíno como o brilho dos olhos , com o abraço afetuoso e quente, com o “eu te amo” verdadeiro e espontâneo ou,mesmo, quando a gente pode realizar o sonho de alguém, doando algo ou presenteando com um bem material uma pessoa carente.

Quero ressaltar, no entanto, que a alegria é sempre bem-vinda.Milhares de pessoas curtem verdadeiramente essa época.Muitos conseguem compartilhar o melhor de si mesmos e fazem desse dias uma festa maravilhosa.Também dessa maneira estão agradecendo a Deus e ajudando o próximo.Cada um é livre para curtir do seu jeito as festas de final de ano.Mas se cada um viver cada dia da melhor maneira possível, com seus amigos, com sua família, com seus amores, tenho certeza que as expectaivas se resumirão em apenas cultivar a paz no coraçao e ser feliz. Existe presente melhor?


Ah, mas eu também não abro mão de enfeitar a casa com muito vermelho,verde  e dourado.De montar meu presepinho e de fazer muitas coisas saborosas.Não sou tão implicante assim (risos).

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui