Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Poética do Caos
Nilza Amaral
R$ 39,70
(A Vista)



Natureza-01-156
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O BOMBEIRO APOLINÁRIO



Cleso Firmino
      CONTOS

O BOMBEIRO APOLINÁRIO

— Apolinário, o que você está fazendo?
— Apagando esse fogo... cuidado, se proteja, está muito quente aqui.
— Sim, vou ter cuidado, mas o que é isso em suas mãos? Pergunto porque parece que você segura alguma coisa — ele não tinha nada nas mãos.
— É uma mangueira de 13 centímetros que puxei dos saltadores de sarjetas. 
— Para que serve este instrumento Apolinário?
— Não está vendo que é para apagar o incêndio? — respondia irritado, mas não havia incêndio nenhum.
     E assim o pobre Apolinário cumpria religiosamente, por três horas seguidas todos os dias, essa árdua tarefa.
— Você é louco Apolinário!
— Louco não, eu sou Bombeiro, Bombeiro com “B” Maiúsculo! Loucos sãos os escritores criativos, citados por Freud, que ficam criando este tipo de texto para tomar tempo dos leitores.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui