Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (131)  

 
 
Os segredos de Lauriana
Airo Zamoner
R$ 25,50
(A Vista)



Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)






   > O meu coração é um latifúndio



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

O meu coração é um latifúndio

O meu coração é latifúndio

“O amor é quando a gente mora um no outro”

Mário Quintana




O meu coração é latifúndio
Nele habitam vários amores
De todos os tipos
Credos
E cores


O meu coração não tem porteira
Nem cadeado
Nem nada
Quer entrar?
A casa é sua!


Mas por favor
Entre de mansinho
Aproveite o caminho
E vai arrancando as ervas daninhas
Que encontrar

É que alguns amores que tive
Não jogaram boas sementes
Na terra já prontinha pro plantio
E elas cresceram
E formaram uma cerca viva


Mas o meu coração
Ainda é o mesmo
Não se converteu
Ao paganismo
Não deixou de
Acreditar no amor
E nem de se alimentar do carinho


O meu coração é latifúndio
Terreno mal explorado
Pois alguns desavisados
Entraram lá por acaso
E nada fizeram pra adubar a terra

Até que...
Outro que veio ao acaso
Buscando não sei bem o quê
Avistou todo um remanso
Lindo
Algumas montanhas ao fundo
E uma casinha branca
De janelas azuis
Viu também uma varanda
Com uma rede preguiçosa
A ainda avistou ao longe
Um cajueiro em flor

Bateu palmas e gritou:
Ô de casa! Tem gente aí?

Cheguei de vestido florido
E peguei-o pela mão
Ele entrou
Olhou nos meus olhos
Vasculhou todas as gavetinhas
de minh’alma
Espantou a solidão
Que me fazia companhia
há várias gerações

Hoje ele é meu posseiro
Semeia todos os dias
No latifúndio do meu coração
Sementes de flores
De frutas
De carinho
E compreensão

As ervas daninhas foram arrancadas
Uma a uma
Pelas mãos do meu amado
Que resolveu
Botar uma porteira singela
Na entrada do meu latifúndio
E botou também um sino
Pra dizer aos desavisados:
Aqui só pode entrar
Quem souber a senha do bem-querer

Ah o amor quando acontece
Na vida da gente é assim
Passamos a morar um no outro

Mesmo que exista distância
Que a vida nos aparte
De vez em quando
O pensamento dos dois
Se torna um
E a gente busca no céu
Uma estrela cadente
Manda recado
Pede ajuda pra Lua
Só pra dizer:Sou tua!
E disso nunca te esqueças.

A resposta vem de repente
Assim na telepatia:
Também sou teu,meu amor.

Pois assim é o amor
Um estar no outro constante
Enquanto os amantes
Assim o desejarem



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui