Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
SÓCRATES: o filósofo...
Kairon Pereira de...
R$ 26,80
(A Vista)



Os filhos di dora
Carlos Augusto Vieira
R$ 67,40
(A Vista)






   > OS CHORÕES DA REPÚBLICA



Airo Zamoner
      CRôNICAS

OS CHORÕES DA REPÚBLICA



– O que é essa sujeira aqui em volta?
– Você nunca tinha reparado nela?
– Está aí há muito tempo?
– Há muito tempo!
– Tem alguma coisa diferente hoje. Venho sempre aqui no centro. Sento-me todo o dia neste banco e nunca reparei nela.
– É porque hoje está cheirando!
– Outros dias, não cheira?
– Nem sempre!
– E o que é, afinal?
– É tica!
– Ética?
– Não, não disse ética, disse que é tica!
– Que tica?
– É tica, ora essa!
– Tem certeza que é tica?
– Sim, mas acho que é tica na ética!
– Como é que é tica na ética? Tá confuso, não?
– Não!
– Só, não?
– Só!
– Quem pôs tica na ética?
– Os chorões!
– Eu gosto dos chorões, eles dão uma sombra maravilhosa. Conhece a rua do rio? Lá está cheio de chorões. Bonito! Os galhos escorrem para baixo como lágrimas... Lindo! Mas tem poucos pássaros nos chorões. Nunca vi se debaixo deles, o que tem é tica!
– Não falo dos chorões do rio!
– Não?
– Não!
– De quais?
– Dos outros!
– Ah! Entendi!
– O quê?
– Aqueles chorões que o que mais produzem é tica! Certo?
– Certo!
– Eles pensam que é ética, mas é tica!
– Você viu?
– O quê?
– Os chorões...
– Vi um!
– Eu vejo muitos...
– Onde?
– Onde o que mais tem é tica...
– Tá cheirando mal, né mesmo?
– Nem começou... Tchau!
– Tchau!

Airo Zamoner é escritor
http://www.protexto.com.br




CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui