Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Arquitetura-02-407
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



O HOMEM RELIGIOSO
Luis Carlos Lemos da...
R$ 28,00
(A Vista)






   > DEPOIS DO FIM DO MUNDO



GENERINO GABRIEL DE JESUS
      CRôNICAS

DEPOIS DO FIM DO MUNDO


Ufa! Os Maias acertaram a profecia. O mundo realmente acabou. Mas eu dormi tanto que não assisti ao espetáculo final. Que decepção! Esperei tanto por esse momento! Primeiro me convenceram de que o mundo acabaria no ano 2000 e nada aconteceu. Naquela ocasião, dormi com receio, morrendo de medo que o céu desabasse sobre minha cabeça. Agora, que tudo pareceu real, o sono não me deixara assistir ao espetáculo da destruição. Teria sido um tsunami, um grande terremoto que se alastrou em todo o planeta ou a explosão de uma bomba nuclear? Não sei! Pois, tudo já se encontra no devido lugar, sem nenhum sinal dos escombros.
Estou duplamente decepcionado; primeiro porque perdi o espetáculo e, depois porque agora que acordei, tudo continua igual como antes.Tudo está no seu devido lugar, embora tudo continue fora dos eixos. Este é o problema! Se nada iria mudar, qual a sentido de acabar?
Pensei, certo dia, que o final do mundo renovaria, pelo menos, as nossas esperanças; voltaríamos ao princípio, sem as maldades e as incompreensões do ser (des)humano que mais parece um animal de tão burro que se fez.
Que o mundo estava no fim, eu já sabia! Como poderia ir à frente um mundo em que pai e filho se agridem e se matam, homens que fingem-se de honestos e do bem e se digladiam pelo poder, simplesmente pela ânsia da conquista? É um mundo cheio de desavenças, de hipocrisia e, cada vez mais, distante da paz e da harmonia que tanto almejamos.
Só não compreendo porque, mesmo acabado, esse mundo não levou consigo todas as agruras sofridas por tantas pessoas! Hoje mesmo ao ligar a TV e assistir aos telejornais favoritos, ao acessar os sites preferidos, as notícias de violência, de acidentes de trânsito devido ao alcoolismo e à imprudência dos motoristas, eram as mesmas de sempre. Vi também que as drogas continuam matando jovens e adultos na capital e no interior, que os traficantes continuam, mesmo presos, dominando o pedaço...
Se acabou, não parece! Mas bem que poderia ser reinventado, pois, no ritmo atual, não vejo nenhuma saída, não enxergo salvação para a humanidade, a curto e médio prazo. É inaceitável que um ser dotado de tanta inteligência, semelhante à imagem do Criador, possa ter chegado ao estado de degradação a que chegou!
Em suma, profecias de Nostradamus e dos Maias à parte, é facilmente perceptível que o mundo começou a ruir há muito tempo, semelhante a um majestoso castelo que começa a ceder a partir das falhas do alicerce, sem que quase ninguém se dê conta. Abramos, pois, os olhos e busquemos, ao menos, por em prática os bons costumes do tempo dos nossos avós, quando vizinhos sentavam-se na calçada para uma saudável “prosa” e as pessoas mais velhas eram respeitadas pela experiência de vida que acumularam com o passar dos anos.
O mundo não acabou, mas bem que poderia ter acabado e levado consigo todas as dores que nos assolam!
 
Juazeiro/BA, 22 de dezembro de 2012.
 
Prof. Generino Gabriel – Rodelas/Juazeiro-BA
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui