Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dezoito Mulheres,...
Airo Zamoner
R$ 25,50
(A Vista)



Abstrato-01-599
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O Coelhinho Fanrtasista



Kate Lúcia Portela de Assis
      INFANTIL

O Coelhinho Fanrtasista

Era uma vez um coelho que não gostava de cenoura.
Nem crua,
Nem refogada.
E nem ralada na salada.
Ele tinha fome de histórias.
De sereias.
E de baleias.
De princesas adormecidas.
E de feras enfurecidas.
De reizinhos.
E de porquinhos.
Ele tinha fome de doces fantásticos.
Macarrão de chocolate.
Pastel de algodão doce.
Lasanha de paçoca.
Nhoque de jujubas.
Empadão de maria-mole.
Mas não havia quem lhe contasse histórias...
Mas não havia quem lhe preparasse doces fantásticos...
Até que conheceu uma menina.
A contadora de história:
Vitória!
Então, ouviu muitas histórias, guardadas em nossa memória.
Histórias de bruxas e casinhas de doces.
Histórias de velhinhas e panelinhas de mingau doce.
Histórias de vovós e cestas cheia de doces.
E mais.
Histórias de abóboras que viravam carruagens.
(Bem que podiam virar doce de abóbora...)
E a história dos rabanetes?
Foram roubados da horta!
(Bem que podiam ser uma torta...)
Ainda havia a história do pé de feijão.
(Bem que podia ser um brigadeirão...)
O coelhinho fantasista estava Encantado.
Fascinado.
Entusiasmado.
Com as historinhas e com as comidinhas!
A fome, porém, não passou...
Apenas aumentou.
 Afinal, as histórias alimentam a imaginação,
E ela... não acaba, não!...


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui