Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)



Diário de Um Pensador...
Dudu Souza (Cleomacio...
R$ 22,10
(A Vista)






   > O choro das crianças



Airo Zamoner
      CONTOS

O choro das crianças



Corre o ano de 2009.
Curitiba anda em silêncio.
Exageradamente envelhecido, o antigo e arrogante líder, o outrora poderoso absoluto caminha pela Rua das Flores. Aborda os transeuntes, na tentativa de que se disponham a aceitar sua proposta. São papéis mal recortados por mãos trêmulas, impressos numa obsoleta matricial que encontrara, certa vez, na Rua Marechal Floriano.
Numa lixeira.
Na esquina com a Avenida Barão do Rio Branco, face ao silêncio sistemático dos passantes, senta-se na sarjeta.
Arrasado.
Com um pequeno galho seco juntado ali perto, cabisbaixo e derrotado, remexe os ciscos perdidos em sua perdida divagação pelas fímbrias de lembranças principescas.
Os transeuntes, num uníssono silêncio, parecem dizer: “Sai pra lá, cara! Você já teve sua chance. Cai fora!”. Ouve e se cala. Submisso. Mas insiste...
Pateticamente...
Numa saída de fábrica da Cidade Industrial, empoleirado num pedestal improvisado, o mais importante ex-companheiro, agora mal escanhoado, expulso de todas as instâncias, pronuncia, sozinho, o mesmo e surrado discurso que empolgara os trabalhadores por muito tempo, o povo por outro tanto. É a única oração que conhece e que agora provoca apenas um silencioso riso irônico de quem sai ou chega para a troca de turno. Ele insiste!
Pobre coitado!
Desce do caixote e corre atrás de um, depois de outro, querendo se explicar, dizer que agora tudo será diferente...
É apenas um histrião abobalhado!
Volta ao caixote e continua sua fala para multidões imaginárias.
Em resposta, apenas silêncio!
Na escolinha do bairro Sítio Cercado, se aproxima o homem de antigas grandes fortunas. Bate delicadamente. O porteiro o reconhece, apesar da barba ausente. Atende-o calado. Nasce um sorriso de esperança: quer uma vaga, deseja lecionar matemática. Mas a porta se fecha sem educação.
Vira-se desolado.
Displicente, desce os degraus, arrastando as chinelas gastas. As derrotas antigas buscam lágrimas interrompidas para as novas derrotas .
Engole-as.
No pátio, a meninada assiste à cena e ri. Ri despudoradamente, mas ri sem um único som.
Ri sem piedade.
Ri tristemente.
Nas casas, o silêncio de perplexidade dura e perdura.
No povo, teima em não arrefecer, ano após ano, o silêncio do estarrecimento e do choque.
Da decepção.
João vai até a pequena área nos fundos da casa. Vê o sol se pondo. Seus olhos se perdem no minucioso exame do vermelho-fogo. Sabe que, em breve, as estrelas prateadas estarão presentes. Maria se achega de mansinho. Ele sente o toque delicado em seu ombro.
Vira-se.
Com mão calejada, acaricia a enorme e orgulhosa barriga de Maria.
Ele vai nascer... Depois do pôr-do-sol.
Outros tantos estão nascendo.
Finalmente, o choro coletivo das crianças novas quebrará o silêncio.

Airo Zamoner é autor do romance “Os Egmons”


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui