Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
KALLS - O ENCONTRO
Diego Lincoln Campos
R$ 45,60
(A Vista)



O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)






   > O super-herói Brasileiro



Maciel Brognoli
      CRôNICAS

O super-herói Brasileiro

      Robin reuniu todos os super-heróis do mundo numa festa para agregar fundos visando o conserto do batmóvel que estava quebrado por ter estourado a biela do virabrequim. O homem morcego estava vivendo um mau momento financeiro e precisava de todo apoio possível, principalmente daqueles que nasceram para salvar o mundo dos homens ímpios e injustos de caráter duvidoso. Como esses semideuses abnegados fazem parte de uma sociedade secreta filantrópica, Menino Prodígio, parceiro de Batman, comovido com a situação de seu companheiro, resolveu tomar essa louvável atitude.

Combinado foi que cada herói traria consigo certa quantia em dinheiro e depositaria numa urna no centro do salão de festas. Ao final da confraternização, abririam o recipiente e a grana seria entregue ao homem morcego.

Do México, veio o Chapolin Colorado; da terra de Tio San, Zorro, Super Man, Capitão América, Aquaman; da Inglaterra, o Homem Aranha; de Cuba, Fidel Castro (Fidel é herói?); da África do Sul, Nelson Mandela. Robin havia confeccionado uma lista de heróis dos 5 continentes, sendo que todos os grandes super-heróis aceitaram ajudar o ‘morcegão’.
      
     A festa estava rolando, os heróis requebravam o corpo ao som de Village People, quando de repente houve uma queda repentina de luz. Obviamente que não ficaram assustados, já que se tratava de uma festa de homenzarrões. Quando a luz voltou, aí sim o espanto foi grande. Alguém havia furtado o dinheiro depositado na urna. Mas quem dentre figuras tão ilustres e destemidas teve a audácia de cometer tal desventura?
– Robin. Leia a lista de convidados. Quero ver quem se enquadra como suspeito.
– Esse é do Japão, esse da Indonésia…
Batman interrompe a leitura da lista.
– Menino prodígio, quem é aquele homem pachola e de bigodinho?
– É o super-herói que representa o Brasil.
– Mas o que ele fez por seu país para merecer o título de super-herói?
– Ora, ele é senador da república.
– Pelas barbas do profeta! Como um senador da república pode ser considerado um super-herói?
– Esse homem está há 40 anos ocupando o poder político através do voto popular. O povo brasileiro o elegeu super-herói.
– É verdade. O poder emana do povo. Mesmo assim, ele é o meu principal suspeito. Traga meu tablet que quero levantar a ficha desse sujeito.
– Aqui está!
– Por mil morcegos! A ficha dele é mais suja que pau de galinheiro.
– Chame o super-homem. Preciso que use seus super poderes.
– Pois não, Batman!
– Super-homem, use sua visão raio-x para ver se tem alguma coisa escondida nas algibeiras daquele homem.
– Vejamos, vejamos. Hum! Santa Gertrudes, Batman! O maldito larápio tem pouca carne morta, muito dinheiro dentro da cueca. E é a ‘bufunfa’ que nós arrecadamos para o conserto do Batmóvel!
        
     A notícia logo se espalhou entre os notáveis e Aquaman, apontando o dedo para o vigarista, esbravejou: – Pega o ladrão! Mesmo octogenário empreendeu fuga o pseudo-herói, precipitando-se à rua onde estava estacionada sua limusine. Os super amigos correram atrás do gatuno para tentar recuperar a grana furtada. Somente ficou parado no salão de festas o representante mexicano, Chapolin Colorado.
Entre trejeitos, ele dizia: – Suspeitei desde o princípio!



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui