Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Estátuas-01-157
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Catálogo2015-P&B
Airo Zamoner
R$ 13,40
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > Xô,tucano!



Amarilia Teixeira Couto
      CRôNICAS

Xô,tucano!

XÔ,tucano!
 
 
 
A Semana Santa foi do jeito que havia planejado.Eu, alguns familiares e amigos fomos para meu refúgio em Jabó.Tenho ido lá semanalmente, pois a demanda com o pomar e os canteirinhos de hortaliças recém-plantados exigem os meus cuidados.E como faço isso com gosto!
 
Quem é ligado à natureza sabe que não existe Páscoa sem cheia, isto é, nessa época do ano, quando comemoramos a mais importante data para o cristianismo (Paixão,Morte e Ressurreição de Cristo), a Lua é sempre cheia.É como se ela  também quisesse reverenciar o Criador.E como sou apaixonada  por essa fase da Lua, fiquei à espreita, esperando a sua aparição no céu. Ninguém mais se preocupava com ela, todos se entretinham numa boa conversa,mesclando os assuntos com uma boa bacalhoada,um bom tira-gosto e uma cervejinha bem gelada.Eu curtia tudo isso, mas nunca deixava de correr os olhos pelo céu à sua procura.Até que a vi linda e sedutora na noite de quinta-feira.Depois de admirá-la a contento e de deixar a minha emoção aflorar e viajar  em direção a outros lugres,tratei logo de fotografá-la  na tentativa  de eternizar a sua beleza.Em seguida me juntei aos amigos e tentei curtir o momento, me concentrar nos assuntos que surgiam, apesar de que o luar insistia em me conduzir para fora dali.
 
Sexta-feira amanhecendo, tratei de incorporar a roceira que há em mim e fui dar atenção aos canteiros de hortaliças ,carentes do meu cuidado.E assim foi a maior parte do tempo, dividindo a minha atenção entre pessoas, casa, cozinha e terra.Gosto disso.
 
A semana transcorreu calma,leve com o clima de outono dando um gostinho a mais: noites cálidas e dias com um solzinho preguiçoso, além da chuvinha que caiu  mansamente boa parte do tempo.Teve também momentos em que os trovões e relâmpagos assustaram bastante,fazendo a energia elétrica desaparecer.Apesar do susto momentâneo, a gente se virou espalhando velas por toda a casa e, no varandão onde todos se juntaram para curtir o violão do nosso artista convidado, tudo se tornou ainda mais romântico e aconchegante.

 A  última noite  em Jabó foi deliciosa.Ao som da melhor MPB, entremeada de blues e o melhor dos Beatles, não percebemos o passar das horas.Eu ainda vasculhava o céu,à espera de uma nova aparição da Lua, mas nada.Acho que ela se recolheu ao ouvir músicas tão lindas, tão impregnadas de amor.Deve ter sido  a saudade que  falou mais alto e  ela preferiu brilhar em outros sítios...
 
Final de noite, o violeiro e sua turma foram embora.E os ficantes, bem cansados, resolveram que o melhor era o descanso.
 
Foi aí que o inusitado aconteceu.
 
No inicio da manhã de domingo, por volta das cinco horas, acordei sobressaltada por um forte barulho, que  lembrava marteladas numa bigorna.Pulei da cama e chamei as outras pessoas que estavam dormindo.A minha  pouca coragem não me permitia ir sozinha averiguar o que era. Fomos para o lado de fora da casa,exatamente de onde ouvi o forte barulho, que era a janela do meu quarto, e pudemos ver já voando longe um pássaro de porte médio e colorido que lembrava bem um tucano.
 
Depois do susto, vimos que a ave tentara passar pela janela e investiu várias vezes contra a mesma com a força do seu bico.As provas estavam lá: farelos de madeira no parapeito e uma rachadura na vidraça.
 
Constatado o fato, tratei de preparar o café da manhã e, intrigados, eu e meus convidados, passamos a fazer conjecturas sobre o ocorrido.Seria um tucano mesmo? (espécie comum na região), um pica-pau,outro pássaro qualquer?
 
Passamos então a percorrer todo o exterior da casa em busca de novas pistas.E comprovamos outros estragos em outras janelas( mas bem menos do que o estrago feito no MEU quarto!).Então tratei logo de conversar com o moço que ainda está trabalhando no terreno, numa nova construção, para saber o motivo dessa invasão tucana.Mas não obtive reposta.Mesmo morando na região, ele disse que nunca presenciara tal fato.Que talvez fosse a queimada  feita ali perto que estava provocando esse fenômeno.Explicação bem plausível, uma vez que o desrespeito à natureza está afetando as aves e todos os animais de forma cruel e impiedosa,mas... por que só nas minhas janelas? O meu funcionário me garantiu que em tantas outras casas com janelas e portas de madeira em nenhuma aconteceu um ataque de tucanos.Então parei pra pensar e cheguei à seguinte conclusão:
 
Não é que os danadinhos descobriram minha opção política? Afinal, como a prosa sempre é muito boa no varandão de minha casa, e costuma varar a madrugada, a família tucana deve ter assuntado qualquer coisa e, por pura retaliação, resolveu me assustar.E como a tucanada é especialista em pregar susto , não é que lograram êxito?Rsrsrsrsr Mas vou logo avisando.Essa coisa de TUCANO agir na calada da madrugada,usando seu bico para fazer estrago e fugindo em altos voos quando pego em flagrante....Sei não.A gente já viu isso  e conhecemos o antídoto.
 
Então, só posso dizer Xô, tucano! Vai bicar em outras freguesias.
 
 
 
 
 
OBs: Conotação política à parte, o caso é verdadeiro.Apesar do susto, quero mais que os belos e majestosos tucanos continuem embelezando a natureza.Se a turma do desmatamento permitir,é claro.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui