Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (131)  

 
 
Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



SÓCRATES: o filósofo...
Kairon Pereira de...
R$ 26,80
(A Vista)






   > ALGUMAS RAZÕES PARA VOCÊ NÃO SE APAIXONAR



Perla Alessandra Tito Gomes
      PENSAMENTOS

ALGUMAS RAZÕES PARA VOCÊ NÃO SE APAIXONAR

Certamente você começará a ler este texto só por curiosidade e imaginará que eu sou uma louca, mal amada e recalcada, que nunca se apaixonou. Não é verdade. Claro que sou louca, mas não sou mal amada e já me apaixonei algumas vezes, sendo duas pela mesma pessoa (?) – eu falei que era louca.
 
O problema é que eu não suporto a urgência da paixão. Todo aquele desespero e insanidade me incomodam. Então, como eu sei que você tem muitos argumentos para me contestar, apontarei, primeiramente, os meus:
 
1. A PAIXÃO "EMBURRECE":
 
A criatura apaixonada não pensa em outra coisa que não seja o “alvo” de sua adoração, dificultando a concentração e reduzindo o desempenho. Nesse ponto, paixão e gravidez se assemelham bastante. Mulheres grávidas também ficam com o raciocínio mais lento, porque não conseguem se desligar de seu “estado interessante”. No caso das grávidas, é plenamente justificável e louvável, pois se trata de uma preparação para a mudança radical que acontecerá em suas vidas com o nascimento da criança. Todavia, lembre-se que mulheres grávidas não podem ser demitidas, mas você, pombinho (a), poderá.
 
2. A PAIXÃO APRISIONA
 
Mera consequência do “emburrecimento”. Se você não tira a (o) linda (o) da cabeça, tem vontade de ficar o dia inteiro sem fazer nada, só ouvindo musiquinhas românticas (daquelas de se arrastar pelo chão) e pensando nela (e), seu coração, sua mente e seu ser estão aprisionados. Não consegue enxergar isso? Vou desenhar: sua mente fica aprisionada a uma ideia fixa, qual seja, a de estar com a pessoa “amada” o tempo todo, pois nada tem graça quando ela não está por perto. Entendeu?
 
3. A PAIXÃO É BREGA
 
É meu amigo (a), a paixão é brega. Nem adianta me dizer que você só ouve rock clássico, hardcore ou Chico Buarque. A paixão é capaz de acionar um dispositivo até então desconhecido pelo seu cérebro, que fará você entender - como ninguém – por que Amado Batista está milionário. Ele será um ícone em sua vida, embora você jamais admita isso. Mas, quando ninguém estiver por perto, você confessará baixinho: “Amadão, TAMO JUNTO!”.
 
 
4. A PAIXÃO AFASTA VOCÊ DOS AMIGOS
 
Claro que a gente fica feliz quando um (a) amigo (a) encontra uma pessoa legal. É perfeitamente compreensível que os dois, no início, queiram ficar sozinhos para se conhecer melhor e aproveitar a companhia um do outro. Mas, na boa, tudo tem limite - coisa que o “ser” apaixonado desconhece. Simplesmente não dá para conversar com um (a) amigo (a) em estado de paixão, porque ele (a) não acompanha seu raciocínio (emburreceu), só pensa e fala na criatura (está aprisionado), não gosta mais das mesmas músicas que você (só do Amadão, lembra?) e não tira aquele sorriso idiota do rosto. Céus! Pior do que estar apaixonado é aturar amigo (a) apaixonado (a)!
 
5. A PAIXÃO ANGUSTIA
 
Para mim, o pior sintoma. Todos os outros são superáveis e acabam virando motivo de chacota, mas esse não. Pessoas apaixonadas sofrem. Muito. Ficam obsessivas, ainda mais hoje em dia. Antigamente, ninguém saía de casa porque (Deus o livre!) se o telefone tocasse e você não estivesse lá apara atender, o mundo não caía: desabava (Salve, Maysa!). Hoje em dia, a angústia é muito pior. Impossível alguém não te encontrar no celular, SMS, e-mail, Facebook, WhatsAPP, Skype, Nextel... Af! Angustiante demais! É muito sofrimento querer estar o tempo inteiro com a pessoa e não poder porque você precisa trabalhar. E é nesse exato momento que você, workaholic inveterado (a), considerará a possibilidade de “um amor e uma cabana” e achará plausível.
 
6. A PAIXÃO ACABA
 
Sim, ela acaba e nem sempre vira amor. Quando Cazuza cantou que queria “a sorte de um amor tranquilo” ele sabia exatamente sobre o que estava falando. A paixão vai morrendo e você, lentamente, recobrando a sanidade. Algumas vezes você gosta do que vê, outras não. Triste, mas é assim - simples e cientificamente comprovado. Por que você acha que o número de divórcios é tão alto? As pessoas, normalmente, casam no auge da paixão e depois não sabem o que fazer para manter o relacionamento, pois o “ser perfeito” não era lá essa maravilha toda.
 
E é por já ter vivido tudo isso que falo com tanta propriedade. Mas, eu te dei apenas seis razões para não se apaixonar... É muito pouco, não acha? Por isso, apaixone-se. Viva. Depois, decida se quer “a sorte de um amor tranquilo” ou um “mundo de agonias”, bem ao estilo Maysa.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui