Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Cidades-01-186
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Ruínas-02-116
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Pezinhos de Vitinho



Kate Lúcia Portela de Assis
      INFANTIL

Pezinhos de Vitinho

 
Era uma vez um pezinho.
De bebê.
Um pezinho recém-nascido.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.
Ele queria caminhar, mas o bebê não sabia andar...
Queria conhecer o mundo.
Sentir o chão.
A grama.
O asfalto.
O piso.
Mas vivia sempre nos mesmos lugares.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.       
Queria conviver com as estrelas.
As nuvens.
O sol.
Queria pisar na lua!
Mas só conhecia berço.
Carrinho.
Cestinho.
Quase não saía de casa.
Pezinho recém-nascido.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.
Até que, um dia, percebeu que, bem ao seu lado, havia outro pé.
Bem, bem, bem feliz. Com seus dedinhos animados.
Então, o pezinho triste quis saber por que aquele pezinho vivia contente.
O pezinho era alegre porque vivia ganhando beijinhos carinhosos.
Da mamãe.
Do papai.
Da vovó.
Do vovô.
O pezinho era alegre porque vivia trocando de roupa.
Sapatinho de lã.
Tenizinho.
Meias.
O pezinho era alegre porque adorava mergulhar na banheira.
O pezinho triste ficou surpreso.
Nunca dera valor aos mesmos brinquedos.
Mesmo!
Só pensava em caminhar... caminhar... caminhar...
Que tropeço!
Daí por diante, ele mudou.
Ficou bem, bem, bem feliz. Com o outro pezinho.
Pé esquerdo. Pé direito.
Animados.
Pés de recém-nascido.
E mal sabiam que caminhariam juntos a vida inteira!...
 
 
 
Era uma vez um pezinho.
De bebê.
Um pezinho recém-nascido.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.
Ele queria caminhar, mas o bebê não sabia andar...
Queria conhecer o mundo.
Sentir o chão.
A grama.
O asfalto.
O piso.
Mas vivia sempre nos mesmos lugares.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.       
Queria conviver com as estrelas.
As nuvens.
O sol.
Queria pisar na lua!
Mas só conhecia berço.
Carrinho.
Cestinho.
Quase não saía de casa.
Pezinho recém-nascido.
Bem, bem, bem triste. Com seus dedinhos desanimados.
Até que, um dia, percebeu que, bem ao seu lado, havia outro pé.
Bem, bem, bem feliz. Com seus dedinhos animados.
Então, o pezinho triste quis saber por que aquele pezinho vivia contente.
O pezinho era alegre porque vivia ganhando beijinhos carinhosos.
Da mamãe.
Do papai.
Da vovó.
Do vovô.
O pezinho era alegre porque vivia trocando de roupa.
Sapatinho de lã.
Tenizinho.
Meias.
O pezinho era alegre porque adorava mergulhar na banheira.
O pezinho triste ficou surpreso.
Nunca dera valor aos mesmos brinquedos.
Mesmo!
Só pensava em caminhar... caminhar... caminhar...
Que tropeço!
Daí por diante, ele mudou.
Ficou bem, bem, bem feliz. Com o outro pezinho.
Pé esquerdo. Pé direito.
Animados.
Pés de recém-nascido.
E mal sabiam que caminhariam juntos a vida inteira!...


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui