Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (131)  

 
 
Enjaule Poesia
José Herculano da...
R$ 49,90
(A Vista)



Bagunçando Brasília.
Airo Zamoner
R$ 30,50
(A Vista)






   > Uma história de boto



Gutyerrez Oliveira Monteiro
      CONTOS

Uma história de boto

 
                   Uma história de boto 
 
                                                                                      G. Monteiro
Madrugada de todos os dias a mesma hora. Ouve-se um barulho de água que  sobe  do rio  escorrendo por cima da argila lisa ,  no caminho que vem   do porto das canoas, na margem do  Paraná de águas barrentas. Passos pesados de homem  andando   na parca luz entre a noite e o principio da madrugada. A  silhueta forte agora vai ficando   mais perto , o cheiro,  o  pitiú   de bicho no cio se espalha no ar. O homem na tocai  em cima da arvore próximo ao barracão  é  paralisado  imediatamente  de arma na mão apenas por um olhar do recém chegado  . O boto  entra na casa empurrando a porta que range, sem se incomodar com o barulho, mostrando que não tem medo de nada. Dois homens de tocaia     dentro da casa, um atrás da porta outro deitado no chão apontando a espingarda para a porta,  ficam como  congelados,petrificados. O marido choroso, na  outra rede próximo a mulher parece ficar totalmente paralisado,  o jeito é   assistir tudo, com somente  os olhos arregalados que se movem nas orbitas querendo gritar  algo engasgado que não  pode sair.
Na rede, sentindo a aproximação do boto, aquela mulher  deixa  mostrar toda a sua ânsia pela chegada do encantado  e o  seu corpo  moreno ainda cheio de juventude,demonstra que estava esperando  o esperado  para o prazer misterioso. O cheiro animalesco do macho  enche o ar,  a mulher e o boto tem  como espectadores, todos da casa que estão acordados naquela hora   esperando –o  para mata-lo.   Como um animal bestial  que ele é,   possui a mulher e, ela se entrega  encantada e envolvida pelo  cheiro e o corpo molhado  do boto . Até  desfalecer total  ficando quedada e saciada como a presa que quis ser predada . Agora ele se levanta de perto dela e se dirige outra vez para o rio de onde veio e ouve-se por último o barulho de água espalhada e o seu banzeiro  que lava outra vez a argila  do rio, um suspiro forte como um  escape de ar é ouvido na madrugada  . Então,  como um sinal  sobrenatural, faz voltar quase automaticamente  do degelo os homens que estavam paralisados. Que ao voltar a si,  tentam  ainda reagir na perseguição, mas  outra vez,é  tarde demais.  O boto já escapou como um encanto , apenas um pequeno banzeiro nas aguas se misturam com o marejo do rio . Na rede, a mulher  ainda está  desfalecida  parece lânguida  e preguiçosa na espera da próxima madrugada do outro dia .
                                                 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui