Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
R$ 25,00
(A Vista)



Dança de Salão, a...
Maristela Zamoner
R$ 36,60
(A Vista)






   > Muito obrigada,viu?Deus te acompanhe!



Amarilia Teixeira Couto
      CRôNICAS

Muito obrigada,viu?Deus te acompanhe!

Muito obrigada,viu?Deus te acompanhe!
 
 
Tenho repetido no que escrevo, que sou uma observadora nata.Já nasci com os sensores de detecção do comportamento humano desenvolvidos.Sou assim,fazer o quê? Acho que tentar traduzir minhas observações em palavras foi uma saída razoável para acalmar minhas emoções( e até as frustrações que,infelizmente não são raras).Então, vira e mexe, meu olhar sequioso de ternurinhas captura alguma cena que,de relance, não chamaria a atenção de ninguém.Porém,como sou míope,sempre me aproximo daquilo que me capturou o olhar para me certificar do que estou vendo.E acabo por também ouvir algumas preciosidades que me fazem alimentar a alma e ganhar o dia.Felizmente isso sempre me acontece.Acho que o meu desejo de ver o que é belo,de sentir o que é verdadeiro é tão grande,que o Cara lá de cima me premia muitas vezes com o inusitado, com o irreverente, com gestos de uma delicadeza surpreendente.

Dirão vocês:Mas é que vc deve ser assim meio lunática,vive com a cabeça nos sonhos.E eu respondo:verdade.Mas o contrário também é verdadeiro.O meu senso de responsbilidade e o meu jeito sério de ser vêm do meu trisavô.Também fazem parte do meu DNA.
 
Hoje pela manhã, enquanto fazia minha caminhada diária,fui surpreendida por uma gentileza que deveria ser corriqueira, mas que está cada dia mais rara. O movimento de carros por aqui, em plena segunda-feira começa bem cedo e se intensifica ao longo do dia e da semana.O trânsito de BH está infernal e desumano.
 
Mas voltando à cena insólita,quando me aproximava de uma rotatória, vi que uma senhorinha (aparentava ter uns oitenta anos) que ia à minha frente, hesitou em atravessar.Aí um motorista,mesmo tendo muitos carros na sua cola,parou o carro com uma boa distância da senhora e acenou com um sorriso para que ela passasse.Nesse ínterim, eu já estava emparelhada a ela e pude ver seu sorriso bonito e ouvir as palavras que ela dirigiu ao gentil motorista: Muito obrigada,viu? Deus te acompanhe.Diminuí meus passos para observar mais aquela mulher.Ela ainda seguiu por um bom tempo com o sorriso esboçado no rosto.
 
Sei que muito pensarão assim: mas o que isso tem de tão emocionante?Eu respondo:Tudo.É nas pequeninas ações ,nas gentilezas diárias que reside a esperança,que os traços de um bom caráter, de um coração amoroso se revelam.Em tempos de tanta maldade,de tanta falsidade, de tanto desprezo pelas pessoas,logo de manhã presenciar uma gentileza tão espontânea é ganhar o dia.É o que me permite  renovar meus votos com os sentimentos mais verdadeiros.O que me faz continuar acreditando que uma mudança maior depende das ações individuais.
 
Tenho certeza de que o agradecimeto da senhorinha ao gentil motorista serviu-lhe de bênção.Ele deve ser um cara feliz.Quanto à senhora ,certamente o passar dos anos não lhe foi tão pesado a ponto de tirar a doçura do seu coração.Até porque o sorriso prolongado em sua face deu-me a dimensão de que o seu coração permanece jovem e pulsante.

E o meu dia ficou ainda mais ensolarado,numa manhã de quase inverno de que gosto tanto.E ouso me apropriar de suas meigas palavras, oferecendo a ela mesma por ter preenchido com um toque de poesia a minha manhã:

-Muito obrigada,viu? Deus te acompanhe.

 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui