Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)






   > O que se epera de um namorado?



Amarilia Teixeira Couto
      ARTIGOS

O que se epera de um namorado?


O que se espera de um namorado?

É difícil passar incólume pelas datas.Por mais que saibamos que o apelo comercial sempre fala mais alto que o real significado das mesmas,a gente sucumbe, se deixa levar.A que está aí no momento,com propagandas de todos os tipos é o Dia dos namorados.Quem já tem o seu, faz mil planos para o dia (e principalmente para a noite).Quem não tem se descabela.A turma teen então,quase entra em desespero.Vale até resgatar o ex,ou transformar o (a) amigo(a) em namorado (a) para não passar recibo de “estar só”. Até porque ninguém quer ficar sozinho,não é mesmo?

Mas o Dia dos Namorados é apenas um pretexto para eu falar do comportamento amoroso, um dos meus temas preferidos.

Hoje, quando temos tanta coisa a comemorar enquanto mulheres,vejo que a nossa sozinhez vai aumentando na exata medida de nossas conquistas.

Se analisarmos nossa trajetória como mulheres ,veremos que avançamos muito. Estamos no mercado de trabalho de forma ativa, competente e influente.Haja vista que o maior cargo da nação está nas mãos de uma delas,cuja história mostra toda a sanha ,toda determinação feminina na luta pelos seus objetivos.

O futuro chegou.A mulher conquistou o seu espaço.É reconhecida como cidadã, como trabalhadora, mesmo tendo que mostrar sempre mais competência do que o homem,mas estamos quase que empatadas tecnicamente com eles.Falta pouco para não restar nenhuma dúvida quanto às nossas várias competências ( e disso sabemos desde sempre).

Mas que preço tivemos que pagar para essa emancipação? Creio que todos.E,em sã consciência, se fizermos um plebiscito feminino com uma única pergunta: Valeu a pena? Acredito que por esmagadora maioria a resposta será SIM.

A mulher é guerreira por excelência, ou por ter sofrido na pele a segregação, o preconceito de todo tipo, principalmente no que tange à sua sexualidade. Nesse quesito, até hoje a situação é, no mínimo,bizarra, se compararmos com os avanços no mercado de trabalho e no mundo acadêmico.

Com todos os ganhos em sua caminhada político-social, com todos os óbices enfrentados na tentativa de conciliar tantas jornadas como: trabalhadora/mãe/esposa/provedora do lar. E ainda tendo que vencer o sentimento de culpa (sentimento genuinamente feminino e tão castrador), a mulher evoluiu como ser humano e essa evolução é irreversível.Mas ficou uma lacuna, na minha opinião,difícil de ser preenchida. Onde se situa a MULHER AMANTE em meio a tantos papéis assumidos em nome da sobrevivência?

E ao usar a palavra AMANTE, de forma proposital,quero tocar no ponto que, para mim é crucial . Até hoje essa palavra é estigmatizada. Até hoje ela é associada tão somente ao contexto erótico, pecaminoso. No entanto, a mulher é na sua essência, amante. Nascemos com um kit de primeiros-socorros para as dores de amor, para o cuidado com o outro .Somos colo, aconchego, proteção, afeto. E somos FÊMEA também.E quando esquecemos disso, quando não recebemos de nosso namorado,marido, companheiro o reconhecimento dessa nossa idiossincrasia, a gente perde o brilho, a força, a alegria. A gente murcha, desbota, perde o viço antes da hora. E quantas de nós estamos aceitando o fim desse reconhecimento?

A mulher quer cuidar, abraçar, beijar. Quer atenção,ternura e tesão. Tudo junto e misturado. Mas a mulher quer acima de tudo RESPEITO e CUMPLICIDADE. E aí não basta dar e receber presente no Dia dos namorados. Nem fazer uma viagem aparentemente romântica para postar no face.As filigranas da amorosidade são percebidas no cotidiano.No carinho vivido a cada momento.Nas dificuldades compartilhadas, nas vitórias comemoradas com alegria, sem disputa.

Quando penso na sozinhez que faz parte de tantas vidas, quando vejo tantos casais fazendo de conta,com beijos e abraços em público e conversa entre dentes quando estão sós,eu penso: Que bom seria se a vida não se condicionasse às datas. Como seria bom se o amor não entrasse de férias ao primeiro sinal de dificuldade.E como seria maravilhoso se, enquanto Mulheres, pudéssemos exercer, sem nenhum pudor, sem nenhum moralismo o nosso imenso potencial de AMANTE, em todas as suas possibilidades, inclusive a de FÊMEA.

Sei que alguns belos casais conseguem essa proeza.Esses atingiram o NIRVANA, sem nenhuma droga, apenas sendo seres humanos dispostos a investir na felicidade.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui