Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Natureza-03-181
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Refletindo sobre EaD e...
Cléber Lemos
R$ 38,50
(A Vista)






   > Avenida Parque



Gutyerrez Oliveira Monteiro
      CRôNICAS

Avenida Parque

  Avenida Parque
 
Era uma vez, um bicho que era meio bicho e meio homem.
Ele não tinha casa, morava nas ruas e nas praças de uma cidade e comia coisas das lixeiras restos de sanduíches e das coisas que as pessoas jogavam fora e estragavam.
Era uma vez um bicho que era meio bicho, meio homem. E também meio cachorro. Porque as pessoas o enxotavam com paus  pedras. Jogavam baldes de água porque ele cheirava mal. Usava apenas uma bermuda ou short que com o tempo ficava imundo e isso é que lhe tapava a nudez.
 Era uma vez um bicho que as pessoas evitam passar perto, evitam cruzar o caminho.
As pessoas o chamam de “Cagado”
Cagado, era somente  um homem quando nasceu  muito  antes de ser homem-bicho, antes de ser olhado por todos como um animal que come restos nas lixeiras da avenida. Antes de se parecer com os ratos e com os cachorros.
Dizem que ele é doido. Mas quem é o mais louco afinal? O que vê o bicho e não se importa ou o bicho que esta ali a nossa frente como um espelho mostrando o reflexo da nossa própria desumanidade?
Cagado... Fezes embalsamam o seu corpo. São a sua única proteção contra o frio. Ele perdeu a faculdade de falar. Ele é um homem-bicho vivendo entre as pessoas. Um homem bicho deslocado e estranho que fede como um animal.
Ele não sabe mais que é homem. Pra ele, ele é como os cachorros e ratos que andam por ai de noite e de dia.
Porque afinal os homens são diferentes dos bichos?  Os homens andam de motos. E os bichos vasculham o lixo e cheirando mal estendem a mão pedindo  um pão na padaria enquanto seu  estômago ronca.
-Ah não, lá vem o cagado - disse a menininha. e assim, mas uma geração vai se acostumar com aquela imagem. o cagado. o defecado. o homem  imundo e barbado que cata lixo e come pedaço de bolachas e maçãs podres , pedaços de sanduiches e restos de comidas dos lixeiros da praça da matriz. Tacam pedras e paus para espanta-lo, porque ele cheira mal. anda esfregando a sujeira da nuca, e  pegando na barba.
a noites que ele chora silencioso.silencioso ele chora.esta com medo e frio.porque esta chovendo muito e ele tem medo do trovoes.
qual o seu verdadeiro nome? de onde ele veio? ele tem família nessa cidade?
ele teve uma infância? ele brincou com seus amigos? assistiu tv? dormiu aconchegado no colo do pai e da mãe um dia?ele é uma pessoa de verdade ou um bicho?
As pessoas passam pelo Túnel Verde, pelo caminho da árvores na avenida e o evitam. Essa não lá  vem aquele maldito desgraçado fedendo! As pessoas passam pela avenida e vão pra onde? Pra missa na igreja se sentir mais próximas de Deus. Ouvir os conselhos do padre sobre o amor ao próximo. Enquanto lá fora, na chuva ele observa toda a paróquia dizer amém.
Dizem que Jesus Cristo prega uma peça nos seres humanos. Dizem tantas coisas...
Eu estava nu e você não me vestiu eu estava com fome e você não me deu de comer...
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui