Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)



Vida em Palavras
Gilmar Camilo Pereira
R$ 53,40
(A Vista)






   > Que tal brincar de ser feliz?



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CRôNICAS

Que tal brincar de ser feliz?

Quanto mais a vida dá algumas rasteiras , ela não terá pernas suficientes para derrubar todas as pessoas guerreiras. Um dia ela se cansa ou pessoas  fortes dão rasteiras nela e seguem adiante leixando-a com cara de boba. Alguns cantam “ Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”. O que é realmente dá essa volta por cima?
Para algumas pessoas  “ficar atoa na vida e  esperar a banda passar”  é o segredo da felicidade. É opção! É vontade! Por que não respeitar as vontades? Tem quem acredite em um príncipe, princesa para...para  felizes para sempre.  Até quando dura o sempre?
Não importa se o  seu sempre dura apenas uma noite, a sua noite. Ou uma semana, mês... Cada um tem o direito de ser feliz, ou se quiser brincar de ser feliz. Antes brincar de ser feliz do que passar o resto da vida infeliz. Porque o infeliz tem uma mania de  espalhar o negativismo, a derrota,  os próprios fracassos numa tentativa de conseguir adeptos. Se decidiu ser infeliz, isole-se, corra para sua redoma! O inverso ocorre com a pessoa feliz ou que brinca de ser feliz, logo quer espalhar e contagiar o próximo com a sua felicidade.
È  fato. Cada vez mais as pessoas são mais carrancudas, sérias, infelizes. As pessoas  se cruzam no elevador e resmungam  quase inaudíveis, e quando encontram uma pessoa sorridente com um belo “bom dia!” Espantam-se, e ficam imaginando “está querendo algo”.  O que será que ele(a) quer comigo sorrindo assim? E como as pessoas felizes atrapalham o trânsito! Ao aparecerem na vida sem graça de alguém o colorido dado passa ser alvo de inveja, maldade, separação...
E ai está o diferencial, pois as pessoas de bem com a vida estão sempre dando a volta por cima. Elas caem de pernas cruzadas,  sentem, choram. Mas, levantam-se e não se lamentam. Porque se houve uma queda porque não teve planejamento eficaz. As quedas existem para fortalecer as passadas e evitar os maus passos... Porque a vida  é uma dádiva. E cada um que cuide do seu bem mais precioso. Infelizmente, alguns desistem da própria vida para viverem  a dos outros, também é opção, não condeno, pois tudo tem um preço. A felicidade tem seu preço do mesmo jeito a infelicidade também.
Já tive oportunidade de conhecer  pessoa que orgulhosamente propaga o poder de nunca ter se deixado  envolver com outra a ponto de nunca sofrer uma grande perda. Que pena! Acredito que se nunca sofreu uma perda é porque também nunca teve nada para perder. .. A nossa vida é permeada de doações. Há amizades sem doações? Há relacionamentos sem dividir? Não falo nada financeiro, a divisão vai além: diálogos, segredos, risos, problemas, soluções... E cada vez mais me preocupo com as gerações atuais que tem como desejo “encontrar alguém para se dá bem na vida”!
Definitivamente os jovens não estão sabendo brincar de ser feliz.  De imediato questiono: “E o que vocês tem a oferecer a esse alguém caso a encontre?  Nada!
Quando vejo leilão de virgindade, tabelinha  mapeando o corpo.  O que nos restam ensinar a esses jovens? Se há uma cumplicidade com o ato, num coletivo “eu faria o mesmo, se ainda virgindade a tivesse” isso de garotas de 14 anos de idade. Ainda consigo me surpreender. Não é o fato da ausência de virgindade que me assusta, mas a ausência de perspectiva, ética,  respeito próprio que emana de certas atitudes. E ai questiono: O que é mesmo a felicidade para as pessoas? É encher os bolsos de dinheiro? Carro do ano? Viajens ao exterior?
Tudo bem que a violência urbana não deixa  muitas opções. Mas se entregar, também não é a solução. Talvez a idade esteja pesando em meus ombros, como  minha aluna de 14 anos dissera: “ Professora, os  tempos agora são outros, quem não quer se dá bem na vida?” Como não sou de jogar a toalha na primeira derrota respondi: Todos nós queremos o melhor e não estamos errados. O problema é a trilha percorrida para conquistar os objetivos. São os caminhos que conduzem a diferentes propostas.
Se aquela jovem me entendeu ou não  eu pouco me importei.  Reconheço a minha caretice, fazer o quê? Já tive pressa, hoje “vou tocando em frente” mesmo porque “ é preciso ter raça, é preciso ter força, é preciso ter gana, sempre...” O futuro mostrará que nem todo sapo é um príncipe disfarçado. Os sapos são sapos, príncipes são príncipes. Cada qual em seus espaços e com seus problemas.
Não jogue a toalha tão cedo! Problemas existem em todos os lugares, por isso a fuga também não é aconselhável. A vida poderá ser pintada conforme a sua vontade, paixão. Antes de pintá-la de cinza, que tal brincar de ser feliz?


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui