Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (129)  

 
 
O HOMEM RELIGIOSO
Luis Carlos Lemos da...
R$ 28,00
(A Vista)



SÓ RIA, mesmo que...
Roberto de Souza
R$ 39,52
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > DENDÊ



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      INFANTIL

DENDÊ

                                                 
 
 
Era um aquário com uma infinidade de peixes pequeninos, dourados e dóceis. No entanto um peixinho se destacava dos demais. Parecia que destoava daquele lugar. Era inteligente e não estava satisfeito com aquela ração. Acreditava que além do vidro havia um outro lugar melhor a ser visto.
Desde que percebera que à proporção que  crescia o aquário diminuía, Dendê começa a procurar uma saída. O peixinho era uma sardinha, mas só porque veio parar naquele aquário por indicação de um baiano... Já sabe, o nomearam de Dendê.
_ Dei sorte, já pensou se me apelidam de acarajé? Ou então de caruru? Vatapá! 
De tanto Dendê querer ser chamado de sardinha, chamavam ele de tudo, menos de sardinha.
_ Ô pequeno, venha cá!
_ Você mesmo, baiano!
_Oxente, axé, mainha, painho... Tudo! Agora chamá-lo de SARDINHA, ninguém acertava.
Era isso o dia todo naquele aquário. E o peixinho sonhava em sair daquele lugar para ter a honra de ser chamado pelo seu legítimo nome: Sardinha!
Dizem que “água mole em pedra dura tanto bate até que fura” , no caso de Dendê a chance de sair foi justamente no dia de trocar a água do aquário. Ele sabia que os coleguinhas mortos eram devolvidos ao rio que passava a poucos metros... E fingiu-se de morto.
Foi um sacrifício e tanto ficar imóvel prendendo toda a respiração, enquanto ouvia os coleguinhas dizendo:
_Vixe mainha, Dendê morreu, foi?!
_Ó paí, ó ! Lá se foi o Dendê...
A vontade era dizer que estava bem. Mas  se falasse com um seria aquela confusão e  voltaria para o aquário. Então continuou o seu teatro. E foi parar no rio.
_ Que maravilha! Agora eu tenho esse rio só para mim!
Nem bem começa a comemorar, aparece um cardume de traíras protestando:
_Esse rio é nosso! Quem é você que ousou entrar no nosso rio?
Com um prazer enorme, Dendê  se identifica como sempre sonhou:
_ Eu sou Sardinha!
As traíras trocaram olhares e ...
 
Zás!
 
Colocaram Dendê numa latinha  e entregou ao chefe dos Capitães da Areia para negociar com o dono do supermercado.
 
 
 
   
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui