Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Vim te contar vinte...
Airo Zamoner
R$ 39,70
(A Vista)



A leitura é...
Maristela Zamoner
R$ 31,20
(A Vista)






   > Dois netos e um avô paciente



CARLOS AUGUSTO BOHANA FILHO
      RESENHAS

Dois netos e um avô paciente

Abaixo transcrição do comentário da jornalista Ilara Viotti sobre o livro CONVERSAS DIVERTIDAS DE NETOS.

Dois netos e um avô paciente: o livro do mês traz conversas divertidas
Carlos Augusto Bohana Filho, ou simplesmente Bohana, nasceu em Salvador (BA), mas foi em Aracaju, (SE), onde mora desde 1981, que construiu sua carreira na CAIXA e criou três filhos: Tatiana, Vinicius e Gustavo.
Foi Tatiana, a mais velha, que lhe deu as duas razões para transformar-se em escritor: os netos Cauã, de 6 anos, e Rafael, de 5, são a inspiração e os personagens principais do livro “Conversas Divertidas de Netos que todos gostam de ouvir”, que teve a quarta maior votação na campanha Autores da Caixa e está este mês em destaque no Catálogo de Prêmios.
Não são só as tiradas e descobertas das duas crianças que o livro de Bohana mostra. Ao longo das pouco mais de 90 páginas, o livro costura o cotidiano de uma família comum e amorosa, em que o diálogo é constante. As descobertas dos meninos nos lembram das nossas próprias e fazem, quase sempre, sorrir.
Foi no primeiro ano de vida de cada um que o avô resolveu escrever um diário da vida de Cauã e Rafael. O resultado foi mostrado apenas a familiares. Quatro anos depois, o autor mandou seus escritos, por email, a amigos e parentes. O sucesso e os inúmeros comentários o incentivaram a prosseguir e procurar uma editora para publicar o livro. Debruçou-se novamente sobre o material, deu forma final e o resultado desse trabalho transformou-se num livro agradável e leve.
Histórias como a de Rafa, que na ansiedade para atender à recomendação materna para que não revelasse ao pai o presente que este ganharia no dia dos namorados, soltou esta na hora de dormir: “Papai, mamãe não comprou um livro para você, viu?"
Ou o acréscimo personalíssimo de Cauã à oração noturna: “Papai do céu, que nenhuma muriçoca morda nem eu, nem mamãe, nem papai, Rafa, vovó, vovô, tio Vi, tia Dodo, tio Gustavo e tia Michelle”.
Com a leitura do livro nos lembramos um pouco de nossa própria infância e das crianças – filhos, sobrinhos, afilhados – que passam pelas nossas vidas. Afinal, tem pouca coisa mais gostosa que ouvir uma criança usar, com toda propriedade um conceito, mas errar graciosamente a palavra, como Rafael, que comentou sobre o vasilhame de leite fermentado: “Tio Gustavo, a garrafinha também é “descascável”.
Só mesmo um avô bem coruja para escrever um livro como o “Conversas Divertidas de Netos”, e para obedecer cegamente à determinação do pequeno tirano Cauã: “Vovô, vamos brincar de super herói. Eu sou Super-Homem, Rafa é Batman, vovó é Mulher Maravilha e você é o Lanterna Verde”. E brincar até acabar a pilha.

Onde comprar:
http://www.protexto.com.br/livro.php?cod_livro=453



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui