Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
O quintal
Airo Zamoner
R$ 17,40
(A Vista)



Genealogia de...
Ana Maria Silva Lopez
R$ 47,30
(A Vista)






   > CORAÇÃO CIGANO



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CONTOS

CORAÇÃO CIGANO

Nem  bem  terminara de nascer, Tamara já havia sido prometida. Tamara se casará com o filho de meu grande amigo Alfredo_ dissera logo seu pai _  um grande líder daquela comunidade que não aceitava ser contrariado. A criança cresce  comprometida. Como Tamara   não foi consultada, fingia não saber. Estudava sem parar.
Aos doze anos de idade  estava na hora de selar o compromisso. Tamara  é chamada para conhecer o  seu futuro esposo. A adolescente olha para o homem de aproximadamente 40 anos... Olha para o pai e para aquele desconhecido. Nada diz. Mas ouve uma voz de comando: Pode abraçar o seu noivo!
A adolescente não dá por rogada, e diz: _ Senhor, cadê  o seu filho?
_Filho?
_Ué, o senhor não está pensando  que irei...
É interrompida pelo pai:
_Tamara, já dei a minha palavra quando você nasceu. E você é minha filha não irá fazer com que eu passe uma vergonha dessa. Você irá se casar com Alfredo Júnior porque eu quero! Mulher  aqui não tem voz ativa, e você sabe disso!
Tamara tranquilamente responde ao pai:
_ Meu pai,  posso ter sangue cigano, mas coração também. O senhor tem apenas uma vida, dela  deverá fazer o uso que quiser, porque a minha vida seguirá em outra direção.  Então não me casarei ... e vergonha seria entregar a sua filha menor de idade  a  um senhor  desconhecido... nas leis do nosso Brasil  isso é pedofilia...
E  Tamara foi expulsa daquela comunidade por ser uma jovem  inteligente que estudou mais do que  devia.  Em outros espaços seus estudos muito ajudaram a refletir sobre o papel da mulher cigana.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui