Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Vida em Palavras
Gilmar Camilo Pereira
R$ 53,40
(A Vista)



Kalls - Amanhecer
Diego Lincoln Campos
R$ 42,90
(A Vista)






   > O TAMANHO DE CADA SONHO



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CRôNICAS

O TAMANHO DE CADA SONHO

     Você já parou para medir o tamanho do seu sonho? Será que o meu sonho é maior ou menor que o seu? Há pessoas que são ilhas outras são oceanos. As ilhas por mais que tentam viverem isoladas elas não conseguem. Elas não são autônomas,  pois as ilhas  precisam das águas para  o “isolamento”. E dependendo do olhar...  as águas brincam  com a terra de uma  ilha convivendo numa boa.
     Certa época encontro uma turma indisposta, eu mais ainda por ser final de manhã, carga horária extensiva, mas nordestina, baiana, professora, como disse o grande Euclides  da Cunha “ o sertanejo é antes de tudo um forte”. E o texto que iríamos discutir,  não me recordo o autor, mas algo voltado para os sonhos. E questiono o que as pessoas  faziam para realizar os sonhos? Projetos e ações concretas para a realização.
     A turma logo se animou, com mil respostas mirabolantes, uns sonhavam ganhar na loto para conseguir a realização, mesmo sem nunca ter jogado, resumindo com isso em nenhuma ação concreta.  Outros  que a “gostosona” da sala lhes dessem bola,  fato que causou um grande alvoroço, ao serem questionados as estratégias da cantada... Também se embaraçaram  nas ações, tirar a carteira de habilitação mesmo sendo menor de idade e assim ficamos perdidos no tempo ouvindo, opinando, sorrindo e sonhando também.
     No entanto uma resposta ríspida de um jovem se destacou:
     _Meu sonho agora é ser feliz! Como sinto falta da felicidade..._ em voz bem baixa_minha casa!
     Logo a turma emudece.  Será que aquele jovem tão brincalhão não era feliz e ninguém percebeu? E como flechas olham em minha direção como se eu tivesse o dom de resolver aquele enigma.  Como tentativa de quebrar o gelo questiono:
     _ E o que você faz para realizar esse sonho?
     O jovem me olha em silêncio, aborrecido porque não estava nada satisfeito com a aula, queria mesmo ir para casa... E responde em tom de gozação:
     _ Eu?  Eu olho para o meu espelho e digo sou feliz! Sou bonito, tenho pais maravilhosos, uma namorada que gosta de mim, uma professora meio abelhuda... Mas, se deixarem...  Sou feliz!
     Silêncio total. E mais uma vez fiquei, pela inexperiência da profissão,  sem saber mesmo o que falar... Meio sem jeito com a recepção, acredito que devo ter balbuciado um...
     _Ah, que ótimo, você olha para o espelho e tudo resolvido! E por que está com essa olhar triste hoje?
     E de imediato recebo de volta:
     _Porque eu procurei o meu espelho e não o encontrei.
     Naquele momento o sangue nordestino falou mais alto que a própria profissão que estava iniciando...
     _ Não tem importância, meu amigo. Se seu espelho sumiu, quebrou ou roubaram,  olhe para a janela, veja o sol ou a lua, se estiver chovendo admire os pingos da chuva, tem algo mais bonito? Se o tempo tiver  frio agarre a sua namorada para aquecê-la e ser aquecido, calor humano é muito bom. Se estiver calor, convide-a para dá um mergulho no nosso Rio Paraguaçu.  Ah, e se a sua  casa não tiver janela... Deite e imagine-a. Mas não deixe nunca de sonhar!
     E nos tornamos realmente grandes amigos.
-----------------------------------------------------------------------------
             Obrigada pela leitura e tenha uma semana de paz!



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui