Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Na Mesma Moeda
Livino Virginio...
R$ 49,60
(A Vista)



Veículos-03-202
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > AS ESTRANHAS FORMAS DE AMAR



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CRôNICAS

AS ESTRANHAS FORMAS DE AMAR

 

Com breves palavras convido o leitor a se levantar desse sofá. Venha, aproxime-se um pouco mais, pronto, chegou? Então, responda-me o que é o amor para você? Você é capaz de amar? Onde esse sentimento tão sublime se esconde e se traduz?

Definitivamente alguém poderia acordar esse sentimento nas pessoas se a cada dia o ódio se propaga com mais intensidade. Enquanto o amor dorme o ódio passeia. Dos programas televisivos para cada notícia de um gesto de solidariedade há uma ‘porrada’, mas porrada mesmo para todos os lados roubando toda a cena e encobrindo a nobreza da cena exibida anterior.

Entristeço-me com tanta violência e incompreensão. Acredito que as pessoas precisam reaprender a amar. E o primeiro sinal é amar a si mesmo. Só o amor próprio é capaz de gerar um outro sentimento nobre para doar ao outro. Não adianta propagar aos quatro ventos que ama alguém se nem sequer consegue amar a si mesmo ou mesma.

Estarrecida, vejo a mídia ganhando milhões às custas de exposição de massacres de famílias, comunidades, crianças, índios, mulheres, religiosos... Quem escapa? A banalização da vida ganha manchete e perde-se a sensibilidade. Quem ficou? Quem chorou? Quem sente ou sentiu a dor da perda? Isso parece ser algo irrelevante. É um mundo capitalista, o acúmulo de riquezas, ibope, status. E a vida? E o amor? E o respeito? Onde se escondem?

Que amor é esse que nunca se revela? Que amor é esse que se esconde entre mil faces para não ser machucado, desmascarado? O amor parece ser algo pecaminoso, irreal. Aprendi desde cedo que os verdadeiros amigos são reconhecidos nos momentos difíceis. Hoje, adulta vejo que esse discurso é um pouco contraditório. Porque nos momentos mais difíceis encontramos amigos e amigos, e eles surgem de forma tão entrelaçadas que às vezes confundimos, quem de fato é um e quem é o outro. Na dor, os dois aparecem juntos. Ambos por diferentes formas de amar.

Os verdadeiros amigos são reconhecidos nos momentos de vitórias, êxtases, alegrias. Só os verdadeiros são capazes de comemorar o seu sucesso. Em toda a sua trajetória de ascenção você contou com esses nobres e raros amigos. Pessoas que te amam gratuitamente, choram e riem contigo em todos os momentos, principalmente nas vitórias.

Todos nós temos amigos e amigos, ambos capazes de amar por diferentes razões. Os verdadeiros são inconfundíveis e os outros se confundem com as estranhas formas de amar...

Onde está o seu amor? Qual a fórmula para propagação? Será que você não é mais um ou uma que tem a estranha forma de amar? Quem tem medo de amar não teme o ódio. Ame-se! Ou dane-se com o seu medo! As redomas estão ai...

Mil vidas eu tiver, caso possa escolher, serei sempre essa pessoa “estranha” por acreditar no ser humano e amar intensamente a vida, por isso que a respeito. Porque é preferível ser ‘estranha’ por ser sensível a tantas maldades a ser indiferente. A indiferença torna o ser humano frio...Insensível ao calor humano e metamorfoseando-se em múmia da pós-modernidade.

---------------------------------------------------------------

       CAROS LEITORES! 
           Um excelente final de semana!
           Pelas mensagens de incentivo...OBRIGADA!

                               
    
     



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui