Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Poética do Caos
Nilza Amaral
R$ 39,70
(A Vista)



Geométricas-02-179
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Ser Conduzida na Dança de Salão



Jacyra Rodrigues
      ENSAIOS

Ser Conduzida na Dança de Salão

 




Esses dias eu vi esse post no Facebook que achei muito engraçado e até compartilhei na fan page que administro Dança e Dança. Mas o fato é que os dizeres ali colocados  me levaram a refletir por que é tão difícil para a dama se deixar conduzir?
 
A primeira reflexão é se essa premissa é verdadeira, ou seja, tal como descrito nopost, o entendimento é o de que o cavalheiro quer conduzir a dama e é ela quem não permite ser conduzida. Então eu pergunto:será que essa dificuldade é maior ou diferente daquela que o cavalheiro tem de exercitar a condução para dama? Em outras palavras, eu poderia desenhar um post em que diria "Cavalheiro conduza a sua dama por favor".
 
Nessa questão de condução está subjacente a ideia equivocada de que conduzir é comandar / mandar. Como algo impositivo, autoritário nos reportando ao século passado, ao manda que eu obedeço, a autoridade do homem e subserviência da mulher, pois mulheres e homens ao longo de boa parte da história da humanidade desempenharam papéis sociais muito diferentes.

Maristela Zamoner no seu livro Dança de Salão, muito bem colocou que os termos Cavalheiro e Dama são os mais apropriados para a Dança de Salão porque se reportam ao tempo em que esta Arte surgiu, mas definem papéis que não correspondem aos de homem e mulher dos dias atuais. E mais para frente completa: homens não conduzem mulheres, mas cavalheiros continuam conduzindo damas.
 
Metaforicamente a beleza da dança a dois está na sintonia/harmonia que existe quando os corpos "dialogam" ao som da música. Contudo, esse diálogo não acontece de imediato. E não acontece por vários fatores e um deles é o do cavalheiro ainda não saber conduzir e a dama não saber ser conduzida. No inicio, a preocupação de ambos, é unicamente o de executar a figura. O casal, nesse momento inaugural, só estão juntos pelo abraço, cada um executa a figura proposta pelo professor conforme seu próprio entendimento sem se preocupar com o outro. Vejo isso como um processo natural. Com o amadurecimento, cavalheiros e damas entendem que a condução é parte integrante e fundamental de qualquer figura executada.
 
Aprender a dançar é como aprender a andar. Antes de andarmos com perfeição e andar com perfeição aqui significa poder brincar com as possibilidades que o andar nos permite (saltitar, correr, andar para frente, para trás, etc), engatinhamos, levantamos e andamos apoiados, damos os primeiros e curtos passinhos sozinhos e assim vamos até andarmos livre e belamente. Na dança acontece o mesmo: homens e mulheres vão passando por estágios  de aprendizagem e um desses estágios é o de entender o que é conduzir e ser conduzido.
 
Sob a ótica feminina da mulher do século XXI, eu entendo que o se deixar conduzir esbarra nas nossas próprias características da mulher atual. Isto porque ocorreram mudanças fundamentais no papel social da mulher. A mulher de hoje tem uma maior autonomia, liberdade de expressão, bem como emancipou seu corpo, suas ideias e posicionamentos outrora sufocados. Em outras palavras, a mulher do século XXI deixou de ser coadjuvante para assumir um lugar diferente na sociedade, com novas liberdades, possibilidades e responsabilidades, dando voz ativa a seu senso crítico. Essas características gerais influenciam diretamente no nosso papel de dama na dança. Portanto, cuidado mulheres: não deixe que o "ser mulher" atrapalhe o "ser dama" na dança a dois.   
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui