Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
O pássaro Refletól
Lucas Borba
R$ 38,50
(A Vista)



Ruínas-02-116
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Especialmente para você



Luiz Antonio Polli
      CONTOS

Especialmente para você

Sexta-feira, calor insuportável, dia abafado, poucas nuvens no céu, e uma grande saudade de você, que aumentava cada vez mais, contava os minutos para poder chegar a hora em que iria vê-la, mas era como se o relógio estivesse sem bateria e o sol tivesse travado no meio do céu, marcando meio dia. Pois, o calor dava continuidade, as horas não passavam e a saudade só aumentava...
Tudo parecia estar me sufocando naquele momento, faltavam alguns minutos para chegar a hora, a emoção tomou conta de mim, senti que naquele momento o sentimento me pegava, sufocava e me impulsionava para a sua direção. Dizendo dentro de mim:
 - Vai, coragem, você consegue.
Quando me dei conta, eu estava correndo e fui até você, sua beleza no ambiente era como uma flor que se destacava em um grande jardim, o seu perfume era contagiante e o seu abraço refrescante, diante de todo aquele calor. E isso era o que vinha a acontecer naquele momento, poucas conversas, muitos olhares trocados, pequenos sorrisos, um pouco tímidos, mas verdadeiros, puros onde dava para se ver o brilho do olhar. E assim, foram poucos minutos diante de você, que passaram a valer como se tivéssemos passados muitas horas juntos. Beijo doce, delicado, junto a me envolver em seu abraço meigo, delicado, consolador, mas, marcante, inesquecível. Ao se despedir, solta o cabelo, seus passos seguem pela calçada, de maneira inesquecível, com isso, fiquei a observá-la ate a perdê-la de vista.
No dia seguinte fui até o local onde a vi pela última vez, o calor era insuportável, parecendo estar mais quente que no dia anterior, parei o carro e fiquei a observar, se a via novamente, então, o meu sentimento, juntamente com minhas emoções, me fizeram ver uma miragem, que lentamente caminhava pelas calçadas daquela rua pouca movimentada, desci rapidamente do carro e me dei conta de que não era você. Estava muito triste, pois seria uma tarde sem poder vê-la, e tê-la perto de mim, em meus braços, sentindo o seu carinho a me envolver.
 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui