Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Elixir do amor - A cura...
Michele Stringhini
R$ 34,90
(A Vista)



Hora-atividade
Maristela Zamoner
R$ 21,10
(A Vista)






   > O Largo da Ponte*



Airo Zamoner
      CONTOS

O Largo da Ponte*



A praça nunca tinha visto alguém tão revoltado como aquele ancião. Ele gesticulava alvoroçado. O rosto vermelho, como o sangue a inchar as veias do pescoço, assustava os transeuntes. Aos berros, expulsava toda a raiva que aflorava de um coração inconformado, de uma alma em guerra, de um corpo marcado pelo tempo, mas vazando energia.
E tudo aconteceu ali, na Praça Zacarias de minha velha e doce Curitiba. Os pombos, mansos como sempre e indiferentes a tudo o que faz diferença para nós, abandonaram em revoada o costumeiro passeio por entre as pernas apressadas de gente preocupada. Postaram-se de fronte ao museu, bem no início da Avenida Desembargador Westphalen. Lá ficaram enfileirados, olhos cheios de espanto, atentos para o que se passava nas proximidades do repuxo.
O velho dava passos para frente, depois para traz, para os lados. O dedo em riste, vociferando impropérios antigos. O engraxate aprendiz não entendia nada, mas achava divertido. Apertava a mão na boca banguela com medo que o riso atiçasse ainda mais o orador raivoso. Temia que sobrasse para ele algum respingo, obrigando-o a fugir, perdendo a féria do dia.
Encolhida, corpo dobrado, mãos plissadas, manchadas pela vida, tapando a face, soluços guinchados, lágrimas safando-se pelos dedos, Fidélia sentia medo. O mesmo pavor dos condenados na iminência do fim. Não ousava levantar o rosto para tentar se justificar. O velho Fidêncio nem olhava para a criatura humilhada, tão próxima a seus pés. Continuava seu discurso furibundo, ininteligível, que nada mais provocava além do riso zombeteiro da platéia.
Fidélia não ouvia o que Fidêncio falava. Penava sob o peso da consciência. No escuro do cubículo artificial cercado pelas mãos, o arrependimento grassava solto. Não conseguia entender porque aceitara o convite daquele estranho para sentar e conversar na beira do chafariz. Era bonito, aquele estranho. Atraiu-a irremediavelmente. Tinha olhos claros, um sorriso irresistível e falava coisas bonitas que Fidêncio não sabia dizer com tanta doçura. Só sabia berrar o tempo todo. Mas agora ele fazia isso em público e ela sentia uma vergonha profunda, avançando por todos seus ossos. Por que este maldito teve que aparecer ali na mesma hora?
A vergonha aumentava quando pensava em sua covardia. Nunca enfrentara Fidêncio. Nunca rebatera sua fala áspera com outra fala dura. Sempre abaixava a cabeça e se retraía. Aí, resolveu levantar-se de onde estava. Decidiu escancarar o rosto, enxugar as lágrimas. Fidêncio não merecia lágrima alguma, pensou. Esse velho nunca dera a ela o carinho que merecia. Bastava ver como o estranho era delicado com ela. Como era amoroso.
O contraste despertou uma coragem extraordinária. Caminhou até Fidêncio com passos firmes. Estava na hora de enfrentá-lo. Cutucou suas costas com a força da determinação feminina do século vinte e um. Fidêncio virou-se e exclamou surpreso:
– Querida! Que bom que você está aqui. Veja só o que fizeram! Acabaram com o Largo da Ponte e sumiram com o mercado! Estou fulo da vida!

Airo Zamoner é autor de “Contos de Curitiba” Ed.Protexto, 2005


* Antigo nome do local onde hoje é a Praça Zacarias, uma praça no centro de Curitiba.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui