Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Estátuas-01-157
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Natureza-01-156
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Em que época estamos vivendo?



Luiz Antonio Polli
      PENSAMENTOS

Em que época estamos vivendo?

               Tirei alguns dias para sair e analisar a situação que estamos vivendo nos dias atuais, em diferentes ambientes, sendo na rua, nos bancos e comércios, e assim acabei percebendo que a maioria da sociedade vive em uma correria constante e se aprisiona em redes sociais.

Nesse dia, em que saí para analisar a sociedade, pela parte da manhã, de nove pessoas que tomavam café no mesmo ambiente que eu, seis estavam mexendo no celular e faziam isso até quando comiam, neste local haviam cadeiras vagas, mas mesmo assim algumas pessoas se encontravam de pé, enquanto outras simplesmente pediam café em copos descartáveis e saíam dali tomando-o.

Nos bancos, em agências de diferentes cidades, acabei percebendo que as pessoas se preocupam muito com as horas, tendo cada vez mais compromissos, e assim, na correria, os dias precisariam ter mais horas. Já em um hospital público, havia uma grande fila que esperava atendimento, em que as pessoas reclamavam a demora, e então continuavam presas nas redes sociais através de aparelhos móveis.

Eu parei, sentei em um banco de praça e ali fiquei por horas analisando as pessoas que passavam, era grande a correria, poucos praticavam esportes, como a caminhada e outras o ciclismo. Continuando sentado, comecei a pensar que a cada dia os preços dos produtos sobem mais, os produtores reclamam que o produto na roça não tem valor, mas para o consumidor final o preço chega alto, ou seja, os atravessares cobram mais do que deveriam, e quem acaba pagando isso somos nós, a mão de obra tem reajuste e o salário mínimo não é corrigido acompanhando o ritmo da sociedade em que vivemos, e ainda ouvimos falar que não existe inflação, mas abrimos um jornal para ler ou acompanhamos um noticiário de televisão e vemos obras não concluídas, inúmeros desvios de verbas e enquanto isso, o povo vive em um consumismo constante, adquirindo produtos que não são necessários, e com isso, o endividamento com cartões de crédito aumentam a cada dia.

O povo vive em busca de respostas prontas, em que não haja a necessidade de esforços para pesquisar algo, para fazer algo, sem contar que vivemos um compromisso momentâneo, onde as pessoas querem viver uma vida junto à outra, mas sem perder a sua liberdade.  

Um dia, embarquei em um ônibus e encontrei um jovem lendo um livro, respirei, pensei, não sei quantas pessoas encontrei nesses dias, mas tenho certeza que nesse período de férias, foi o único que encontrei lendo, então, cheguei a seguinte conclusão, a maioria do povo é escravo das redes sociais, vive na correria e no consumismo, deixando de lado seu senso crítico para murmurar e reclamar, mas não adianta reclamar e compartilhar frases prontas em redes sociais se não houver o nosso próprio senso critico e a própria administração do nosso ser, pouco adiantará se “matar de trabalhar” se os impostos não param de subir, não podemos ser escravos de redes sociais, devemos ler para conhecer mais, e assim, termos nossos próprios conhecimentos e o mais importante ter uma crença em Deus, pois quem tem temor terá amor ao próximo, e passará a viver não só por si, mas amando o próximo. E eu vejo que o que falta na sociedade de hoje é o amor.

 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui