Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Estátuas-03-163
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)






   > CORPO VIVO: ENTRE TAPAS E BEIJOS...



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      ENSAIOS

CORPO VIVO: ENTRE TAPAS E BEIJOS...

        Será que o ser humano sabe o limite exato do controle de suas emoções? Até que ponto as pessoas podem chegar para concretizar um desejo de vingança?  O homem é um produto do meio ou produtor do seu próprio habitat?
       O romance do baiano da região cacaueira Adonias Filho (1915 – 1990) intitulado CORPO VIVO(1962)  acende  esses questionamentos através do protagonista Cajango, uma espécie de homem-fera treinado para matar e fazer justiça contra os jagunços e envolvidos com a morte da sua família.  Por conflitos causados pela terra fértil para o plantio de cacau,  a ganância pelas terras dos vizinhos aumentaram  e marcaram um período na região Sul da Bahia, espaço retratado no romance.  Bilás resolvem aumentar o patrimônio utilizando-se ilegalmente das terras dos Januários, para tal, encomendaram a execução sumária de toda a família dos vizinhos.
        Cajango, filho de Januário e único sobrevivente do massacre,  é levado para ser criado por o tio Inuri, um índio revoltado que lhe ensinou odiar e vingar cruelmente de todos os envolvidos. E foi para isso que a “fera” viveu desde criança  fora do convívio social, tornando-se uma espécie esquisita, cabelos compridos, traços rústicos e de uma perversidade indescritível.
        A trama do romance é para as ações de Cajango que ao tornar-se adulto criou um bando de justiceiros, aterrorizando as pessoas por onde passava, revelando-se o monstro feroz que habitava em si. As vítimas não morriam rápido, havia uma crueldade em suas ações sanguinárias , como fez com um dono de pensão que não forneceu a informação necessária e foi jogado para  cães ferozes e famintos no meio de uma praça como intimidação para os moradores.
       Para  Cajango   a vingança  nunca se acabava, restavam os filhos, netos, amigos...E foi nessa caça aos parentes de seus opositores que Cajango conhece Malva e começa a sentir pela primeira vez a vontade de colocar o homem que havia em si e aprisionar a fera para sempre.  E ai? Será que Malva deveria ser morta por  pertencer uma família que ela não havia escolhido? Cajango fica dividido. Prossegue a sua vingança ou  vai rolar na grama com Malva? Com o rastro  de sangue  derramando, Cajango  tornou-se também o inimigo número um de muitos poderosos.  Ele que nunca havia encontrado ninguém que o olhasse como homem encontra em Malva a única chance de humanizar-se e apagar de vez o passado. E é isso que Cajango decide fazer. Viver aquele sentimento  adormecido por tantos anos.
       Claro,  a sua atitude não foi aceita pelo tio, pois não criou a fera para ser amansada por uma mulher parente de inimigo. E começam as disputas internas no próprio bando, pois Inuri via  Malva como uma inimiga que interrompeu o caminho de seu sobrinho, pois com a presença dela o bando foi desfeito. Cajango, envolvido com Malva desiste da  vingança, atitude que revoltou o tio e para proteger-se e também a sua amada, tira a vida do seu tio.
         Cajango e Malva correm para a mata, uma serra impenetrável  para os estranhos, só mesmo ele que passou toda a sua vida naquele espaço sabia de todos os esconderijos daquele isolamento. E assim eles podiam viver livremente e isolados de toda a civilização, afinal foi um corpo vivo que escolheu o amor.
          Cajango ao desistir de continuar as andanças aterrorizando e vingando-se a morte de sua família, mostrou o quanto a sua sede tornou-se pequena diante da fonte da vida que ele havia descoberto. Antes dela, ele não se percebia gente, não se percebia homem. Com Malva o seu olhar é para si e para o outro. E ele se vê gostando de si. Cajango percebe que todos merecem uma segunda  chance. E ele não quis desperdiçar essa oportunidade, seu corpo exalava vida, ele estava vivo e poderia ser útil a alguém e em algum lugar.
         Não resta dúvida que Malva tem um papel de suma importância no romance, ela é uma mulher que consegue acordar um homem que estava morto para si mesmo.  Ele pode buscar a paz interior a partir do presente, porque é evidente o conflito interno vivido pelo protagonista  movido pela sede de vingança. Ela não poderia mudar a sua condição, a sua linha de parentesco com os inimigos de Cajango, mas ele sim, poderia vê-la e julgá-la daquele momento.  E foi com a determinação de uma fera enjaulada que Cajango abraça a vida e corre para aproveitá-la cada instante. E se naquele momento ele tinha com quem contar, abraçar, fazer planos, chorar, foi porque ele se permitiu.  No romance de Adonias Filho “a fera” preferiu o calor humano a solidão.
 Já li alguns comentadores desse romance atribuir a mudança de Cajango exclusivamente à mulher, discordo. Não vejo mulher ou homem capaz de transformar o outro, cada ser só se modifica quando quer,  a conscientização dos próprios atos é o primeiro passo. Quando o ser naturaliza a violência não tem como sentir a dor do outro... Se Cajango não  percebesse que estava matando inocentes, não começasse a sentir o prazer pela companhia feminina,e dá um crédito a si mesmo, Malva seria mais uma vítima nas garras da fera. Inteligente, Cajango substituiu os tapas pelos beijos de Malva.
______________________________________________

                              Bahia, jan. 2014

                             Obrigada pela leitura. 

                              Abraços baianos!
                                      
 
 
 
 
 
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui