Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sobrevivendo da...
Marilia Zamoner
R$ 66,90
(A Vista)



As Companhias do...
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)






   > Delírio de uma Alma



Valdívio Barbosa Rocha Filho
      CONTOS

Delírio de uma Alma

  • Vi-la descer a escadaria de seu palácio, com pombinhas brancas gloriando sua descida. Seu vestido, a mais pura da renda francesa, espalmava-se com o vento. Deixando seu deslumbrante corpo nu ao imenso véu. Ela, olhando-me montado nesse meu alazão prestigiando a melancolia em seus paços, deu-me um sorriso, não como os tantos que já tenho na memória, o d’agora foi o único que preferi sentir em vez de guardá-lo. Quis buscá-la! Mas não pude quebrar o encanto daquele sonho, apenas fui o seu encontro. Beijei-lhe a mão suavemente para não tirar sua essência. Montei-a em meu cavalo e levei-a para o baile.
  • Pude tê-la à noite inteira enquanto dançávamos valsas. Vez ou outra arrisquei algumas frases e sussurros pé ao ouvido dela. O que me rendia outra frase bem mais elaborada que a minha. Como pude deixá-la sozinha, até hoje chora a coitadinha. Se pudesse voltar, correria logo para seus braços. Morreria mais uma vez de paixão por ela. Ah como eu queria poder voltar e prestigiar o véu de suas vestes! A descida nos degraus da escadaria. Ah meu bem, sinto tanto sua falta! Esse teu sorriso... O tempo que passou não volta, e esse meu amor por você cada vez é maior. Cresce mais e mais quando penso em nós dois, e é horrível falar essas coisas tão perto de ti sem poder tocá-la. Se não fosse esta divisória entre o meu mundo e seu, eu... Bem, ainda não sei o que faria, são tantas as coisas que queria fazer com você que não pude. Eu te amo tanto!
  • Há algum tempo ando pensando eu me libertar desse sofrimento, dessa paixão que tanto me corrói. Nunca mais vou tê-la em meus braços como antes tive. Nem poderei em sussurros arriscar minhas frases. Hoje sou apenas uma alma, não posso dá-la o amor que merece, nem poderei sentir o seu que agora é desgosto. Tudo pelo Amor! Bom, deixarei de sentimentalismo, essa dor só machuca e nunca sara. Penso que seja melhor assim.
  • Mesmo que não me escute e nem saiba das tantas palavras que disse nesta minha nota, ainda espero que se lembre de mim como algo bom que aconteceu em sua vida. Da mesma forma que me lembrarei de você aqui de onde estou. Tão perto e tão longe, como podemos nos separar de tal forma?
  • Resolvi e parti sem encontrá-la, seria mais uma desculpa para ficar mais tempo preso neste mundo que não me pertence. Fique meu bem, seja forte e siga sua estrada. Encontre um novo amor, alguém que te faça feliz do mesmo jeito que eu. Estou saindo deste mundo com o coração partido, mas com a certeza de dever cumprido. Te amei todos esses anos, fui teu protetor e quando me achava em momentos difíceis havia ali quem lhe amparasse, fazia o papel por mim. Parecia que eles me ouviam.
  • Sei que não tens vestido de renda francesa, nem mora num palácio e nem eram pombinhas que te gloriavam. Também não tinha eu um cavalo e muito menos dançamos valsas a noite inteira. Mas aquela noite foi tão linda que imaginei tudo como nunca aconteceu, é como se tivéssemos passado por todas àquelas fases juntos. Pena eu ter ido sem me despedir. Mas não adiantou muito terem me matado para poder ficar contigo. Você nunca deixou de me amar e apesar de não ter sido uma princesa e nem riqueza parecida ter, será sempre a minha rainha.
  • Te Amo!
  • Adeus.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui