Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (129)  

 
 
O HOMEM RELIGIOSO
Luis Carlos Lemos da...
R$ 28,00
(A Vista)



Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)






   > VIDA ACESA EM ASCENDÊNCIA



Fabrício Behine
      PENSAMENTOS

VIDA ACESA EM ASCENDÊNCIA

Preciso ficar aceso, pensei, depois acender minha cabeça quando quiser nesse desencontro medonho de travamento insipiente; preciso saber quando parar sem deixar nada para trás, como se levasse uma sacola na alma fazendo misturas -- ruins ou boas -- para usar enquanto vivo estou neste labirinto emocional. Sem perfeitinhoperfeição, meu amigo! Sou assim mesmo; tenho esta mania de deixar ruindades para trás ( nãominhas) quando se as tivesse guardado na lembrança por certo estaria precavido, conquanto desencantado de muita coisa neste mundo. -- Seja franco, senhor doutor-senhor-sabe-tudo ( um modo de  dizer!): onde tu estás, aonde vais? Quem és?! -- Não sei dizer. Vou seguindo do modo que se me apresenta melhor, e falho e erro e caio e levanto... Mas é tão bom somente seguir!... Só continuar vivendo-aprendendo e às vezes dando estalos na cuca, porquanto sei que estes estalos são advindos da grande máquina-de-carne de cujo bom funcionamento careço para ter paz e felicidade... Que sei eu, meu Pai do Céu! São tantas perguntas... Respostas poucas... desassossegos de Fernando Pessôa escrevendo feito gentes diversas para fazer-se entender sem usarem essa coisa de paranormalidade-explicativa-sempre quando tudo é simples -- tudo o que é feliz é simples; só a tristeza é complexa. É... aí estou eu; bricando de  dizer verdades-axiomas bobos de ranzinza-bobão-porém-muito-sério... E veja, meu amigo, as coisas se modificam e encorporam mais coisas até virar coisas-demasiadas para pensar. A maquina pifa, quebra -- ou regride-retrocede ( redundante! ) quando já está lá-além acima. Não dá para ficar aceso o tempo todo a querer saber entendendo assuntos vários fora da profissão-labuta...
     -- Seu dotô-pensa-que-sabe-tudo, num tenho tempo nem de ver jornal!... Como posso acertar no julgamento das coisas? Só com a sabedoria minha mesmo, viu?
    -- Pois está aí uma verdade, companheiro...
    -- Aceso-pensante num dá! Chego em casa e durmo senão...
    -- Cada um tem muito mais sabedoria do que imagina, meu irmão... Tu com esse teu saber aprendido à pancada deve valer por trinta e três filósofos máximos...
      Lembrando das conversas do dia a dia, é que adapto o que de real importante é. Conversas com gente simples... Gente que não pode nem teve a chance de acender para ascender na vida. E essa gente sabe tanto-tanto mais do que todos os outros, de uma maneira juntante de fé e pragmatismo, sendo iconoclasta com um santinho de Nossa Senhora em casa milagroso...
   Não carece muito realmente, porquanto esse povo amado-meu sabe sempre mais do que se espera; nem sequer acesos ficam na mente...
    Não precisa: acesos ficam tão-só sobrevivendo.
    Acesa é alma e a vida deles todos!...

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui