Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Vida em Palavras
Gilmar Camilo Pereira
R$ 53,40
(A Vista)



CICLO
Airo Zamoner
R$ 17,80
(A Vista)






   > Desafios frente ao futuroque devemos construir: A Educação EAD um mote intrigante para as novas perspectivas escolares



Ana Carolina Araújo Nascimento
      ARTIGOS

Desafios frente ao futuroque devemos construir: A Educação EAD um mote intrigante para as novas perspectivas escolares

DESAFIOS FRENTE AO FUTURO QUE DEVEMOS CONSTRUIR: A EDUCAÇÃO EAD UM MOTE INTRIGANTE PARA AS NOVAS PERSPECTIVAS ESCOLARES
Ana Carolina Araújo Nascimento
 
É indiscutível que a educação a distância – EAD - não seja um mote intrigante para a realização de trabalhos de pesquisas e de discussões fervorosas entre os profissionais desta área, por se tratar de um tema que orienta as novas abordagens e vem se tornando ao longos dos anos uma temática fundamental para os estudiosos que queiram refletir sobre os rumos da educação, uma vez que através desta é possível refletir sobre o uso das novas tecnologias, do ciberespaço e da inclusão digital no ambiente escolar.
Para tanto, o pretendido é apresentar um altercação sobre a produção da subjetividade e o uso das novas tecnologias na educação EAD, tendo em vista que vivemos em tempos de educação e de internet e os profissionais da educação devem buscar meios de dotar a informação de sentido, uma vez que a escola vem sendo alvo de debates e questionamentos acerca de sua funcionalidade e de suas propostas inovadoras, frente ao futuro que nos espera.
É importante  ter em mente que o surgimento da EAD e suas implicações torna viável uma reflexão sobre os desafios vivenciados na educação a distância, bem como das subjetividades e identidades formadas a partir deste modelo de ensino, tornando propicia a ponderação sobre o uso das novas tecnologias no ambiente escolar, pois “o que a vida cotidiana requer atualmente do indivíduo é que ele saiba onde buscar dados e informações para, em seguida, promover a contextualização, seleção e relação entre tudo àquilo que, abundantemente, as mídias lhe oferecem”. (RANGEL e FREIRE, 2012 p. 13)
A educação a distância, entendida como EAD é uma modalidade educacional que possibilita a autoaprendizagem através de recursos tecnológicos, (cd, tv, web, rádio, computador), na qual professores e alunos compartilham os sabores do processo ensino aprendizagem separados do espaço físico chamado sala de aula.
Hoje existe a possibilidade de desenvolver educação não apenas de forma presencial, mas é possível compartilhar o conhecimento de maneira semipresencial ou totalmente a distância, onde as pessoas se encontram em salas virtuais e podem discutir sobre os mais variados temas.
A história da educação EAD, começou a ser produzida em meandros do século XV quando o alemão Johannes Guttenberg revolucionou a forma da impressão com tipos móveis. Sua criação possibilitou que os alunos de certa forma desenvolvessem uma característica importante no processo de aprendizagem que é a autonomia, uma vez que não necessitavam escutar mais leituras feitas por seus mestres.
Assim, a educação EAD foi sendo disseminada por todo o mundo e hoje esta forma de construir conhecimento se propaga em larga escala, pois assume uma função especial, que é a de educar mesmo que os envolvidos no processo de ensino aprendizagem não estejam num mesmo espaço físico.
No Brasil, a educação EAD surgiu por volta do século XVIII com a oferta de profissionalização por correspondência.  Entretanto, só a partir das décadas de 80 e 90 essa forma de educação ganhou mais visibilidade não só em decorrência do avanço tecnológico, como também da difusão do ensino aprendizagem das línguas estrangeiras.
Sem dúvida essa modalidade educacional representa uma forma de difundir o saber, uma vez que oportuniza de forma mais fácil a obtenção do conhecimento. Mesmo que muitos ainda não acreditem nesta forma de transmissão das ciências, a educação EAD tem se expandido de forma gigantesca por todas as partes do país, garantindo que as pessoas que outrora não tiveram a oportunidade de estudar, ou que não possam se deslocar para os grandes centros tenham acesso à informação.
Na modalidade EAD a produção da subjetividade é feita em espaços reservados para a socialização dos saberes, o conhecido ambiente moodle, também chamado AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem). Neste espaço os saberes são socializados através de fóruns nos quais professores, tutores e cursistas, podem se relacionar e trocar informações, ainda que estejam distantes fisicamente, mas conectados e próximos através do computador.
É perceptível que a forma de tecer o conhecimento com o passar das décadas está se modificando, outrora quando o método de ensino ainda era o tradicional centrado no professor, detentor do saber, se estudava em um ambiente específico, no qual a interação não era admitida e não se fazia interessante que as subjetividades viessem à tona.
Hoje, com a reforma na educação, a maneira de construir o conhecimento está bastante diferenciada; com isso é possível observar também que a forma de tecer as subjetividades e ver o aluno é outra, pois a sociedade vem ganhando novos contornos que permitem novas óticas pedagógicas.
Como ressalta Alves em seu artigo: Educação a Distancia e as Novas Tecnologias de Informação e Aprendizagem, “Vivemos no momento da pedagogia da tela, onde o tripé educação, comunicação e administração é indissociável”, ou seja, estamos todos conectados, nos comunicamos, podemos trocar informação e administramos nossas vidas através das novas tecnologias.
Assim, a produção da subjetividade neste ambiente requer de certa forma uma mediação, para que as trocas sejam ordenadas e todos os envolvidos no processo possam tirar proveito das informações contidas no ambiente de aprendizagem. Os sujeitos imersos neste processo passam do status de meros receptores para coautores; o lócus da inércia já não lhes pertence mais. Estes sujeitos estão interconectados, funcionando como agentes da comunicação neste ciberespaço construído para fomentar a educação.
Sendo assim a educação a distância assume um papel importante nesta sociedade de novos valores, novos olhares e novas tecnologias, pois desenvolve nesses imenso tear do saber a possibilidade de navegar num oceano de informação e conhecimento chamado internet.
Verifica-se, portanto que o ensino EAD é um ponto interessante para pesquisar e aprender mais sobre a produção da subjetividade, o uso das novas tecnologias e discussões sobre o futuro dado ao sistema educacional, uma vez que os sujeitos imersos neste processo vislumbram de maneira sensível tanto a concretização de suas identidades como o uso dos materiais tecnológicos no seu processo de aprendizagem.
Assim, questões como estas exigem a reflexão e a sensibilidade dos cidadãos e dos profissionais de educação para que a tecnologia não seja vista apenas como adorno em sala de aula, pois os computadores e outros aparatos tecnológicos podem ser de grande valia no processo educacional, proporcionando ao discentes uma educação distante dos entraves visíveis pelas paredes dos muros das escolas,  desde que usados de forma adequada.
 
 
 REFERÊNCIAS
ALVES, João Roberto Moreira. Educação a Distancia e as Novas Tecnologias de Informação e Aprendizagem. Artigo do programa Novas Tecnologias na Educação. Disponível em: . Acesso em 04 de junho de 2013.
BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: visibilidade e subjetividade nas novas tecnologias de informação e de comunicação. Porto Alegre: Revista Famecos, nº 24, julho 2004. Disponível em: . Acesso em 07 de junho de 2013.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975. Disponível em: . Acesso em: 02 de junho de 2013.
 
KRASHEN, Stephen D. 1988. Second Language Acquisition and Second Language Learning. Practice – Hall International
 
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo. Ed 34, 1999.
 
MARTINS, Menezes Francisco. Cyberespaço e os sujeitos da interatividade. Disponível em: . Acesso em 23 de maio de 2013.
 
MORAN, José Manual. O que é educação a distância. Disponível em . Acesso em 23 de maio de 2013.
 
PINTO, Aparecida Marcianinha. As Novas Tecnologias e a Educação. Disponível em: . Acesso em 02 de junho de 2013.
 
PRETI, Oreste. Educação à distância: fundamentos e políticas. Cuiabá: Ed. UFMT, 2009.
 
____________. Educação à distância: uma prática educativa mediadora e mediatizada.Cuiabá: EdUFMT, 1996. Disponível em: . Acesso em 31 de maio de 2013.
RANGEL, Mary e FREIRE, Wendel.  Educação e tecnologia: texto, hipertexto e leitura. Rio de Janeiro: Walk Editora, 2012.
RECHDAN, Maria Letícia de Almeida. Dialogismo ou Polifonia? Disponível em: . Acesso em 31 de maio de 2013.
SIBILIA, Paula. Rede ou paredes: A escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
SALES, Mary Valda Souza e NONATO, Emanuel do Rosário Santos. EAD e material didático: reflexões sobre mediação pedagógica. Artigo Universidade do Estado da Bahia-UNEB, maio, 2007. Disponível em: . Acesso em 27 de maio de 2013.
 
 


Graduada em Letras com Licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Espanhola e suas Respectivas Literaturas (UNIJORGE); Graduada em Letras com Licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e suas Respectivas Literaturas (UNIJORGE); Especialista no Ensino de Língua Estrangeira – Espanhol (UEFS - Universidade Estadual de Feira de Santana); Mestranda em Formação Educacional Subjetividade e Interdisciplinaridade (SAPIENS) - leidecarolina@yahoo.com.br
É o acrônimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment".
De acordo com o Método de Tradicional de ensino, a habilidade mais importante a ser desenvolvida é a escrita, sendo a comunicação deixada para segundo plano. Neste método os alunos estudavam apenas regras, para tanto não existe uma interação entre aluno – aluno o u aluno – professor, este era o centro das atenções, pois é ele quem entra em contato (ainda que com distanciamento) com os alunos. (KRASHEN, 1988)


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui