Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Genealogia de...
Ana Maria Silva Lopez
R$ 47,30
(A Vista)



Abstrato-03-772
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Microscópio



Saulo de Oliveira Costa
      POESIAS

Microscópio

 

É como o Cartola dizia, “O mundo é um moinho”

E o Peninha que em Sonhos pedia, “mais pureza, mais carinho”

 

Diria o poeta que poderia perder os olhos e viver sozinho

Mas que deixar de escrever seria um início...para o fim do caminho

 

Também sei que Nietzsche criticou um mundo inteiro

Ao menos sabia que “Sem a música, a vida seria um erro”

 

E foi preciso coragem, e covardia sem perdão

O Cazuza já esteve certo, também algumas “Pequenas porções de ilusão”

 

Fiz de Beethoven exemplo para minha orquestra

Sou surdo para o universo, mas escuto em minha pele o que a vida dispersa

 

Já pensei em ir embora, levar minha razão

Abandonar tuas belas cores, escurecer meu coração

Vou pegar as tintas de Picasso, enquadrar nossa paixão

 

Mas o banco da praça que me esperava todos os dias morreria de solidão

Chamou-me até sua morte quando apodreceu seu corpo ao chão

Você merecia, mais que todos, a minha atenção

 

Quando meu mistério foi sanado

Disseram que eu estava louco, embriagado

-Era apenas uma história que haviam me contado

 

 

 

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui