Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Os Egmons
Airo Zamoner
R$ 40,40
(A Vista)



Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)






   > Anatomia de Teresa



Emanuel Reis Gonçalves
      POESIAS

Anatomia de Teresa

Havia uma luz ainda acesa,
O coronel a muito não a via,
Via Lucas, Zé George, a velha mesa,
O pouco brilho que a aurora refletia,
Mas de um momento este nunca se esquecia
Do cheiro ímpar dos cabelos de Teresa.
 
A sorte lançou sua piscadela!
O olho esquerdo ainda seco se havia,
E o direito: este perdeu numa esparrela!
Quando voltava da capela, em heresia
Pô-lo, um ladrão veio (ah, não!), em agonia
E ainda assim lembrou-se do sorriso dela!
 
Meteu-se a cavar seu tesouro.
Moedas, joias, coroas, prata pura
Não achou tolo ou seu ouro.
Mas ainda, em ato de bravura;
Não apenas sucumbiu à loucura,
Como o demônio subiu ao seu couro!

Lucas mudou seu gesto,
George nem venerava mais;
Pobre patente, pateta indigesto.
Escória do vento que andava pra trás
No entanto, moleque, ainda sagaz.
“Sou bélico, para amar não presto!”
 
Ergueu sua velha garrucha luxenta,
Meteu-a para frente, perto do pescoço
Fechou o olho cego, fez mira na venta.
Observou o cortês, pobre moço!
Quando finalmente lançou o caroço,
Sua arma enferruja, o cabo é que esquenta!
 
Frustrou-se em sua impotência dual,
Teresa em cortejo, ele sem desejo
O moço mocinho, esperto e irreal;
Foi lamparinando, lampejo e lampejo
Por fora, rodou-se; por dentro, um beijo!
Para o coronel, um suspiro fatal!
 
Foi cegando do olho bom, triste beleza!
A garrucha riu-se da falha divina;
Achou-se no fim, final de sua leveza!
Tão sério, o amor, por aquela menina;
Perdeu-se tão longe, na vida latrina.
Nem mão, nem amor, nem um olhar de Teresa!
 
 Havia uma luz ainda acesa,
O coronel a muito não a via,
Via Lucas, Zé George, a velha mesa,
O pouco brilho que a aurora refletia,
Mas de um momento este nunca se esquecia
Do cheiro ímpar dos cabelos de Teresa.
 
A sorte lançou sua piscadela!
O olho esquerdo ainda seco se havia,
E o direito: este perdeu numa esparrela!
Quando voltava da capela, em heresia
Pô-lo, um ladrão veio (ah, não!), em agonia
E ainda assim lembrou-se do sorriso dela!
 
Meteu-se a cavar seu tesouro.
Moedas, joias, coroas, prata pura
Não achou tolo ou seu ouro.
Mas ainda, em ato de bravura;
Não apenas sucumbiu à loucura,
Como o demônio subiu ao seu couro!

Lucas mudou seu gesto,
George nem venerava mais;
Pobre patente, pateta indigesto.
Escória do vento que andava pra trás
No entanto, moleque, ainda sagaz.
“Sou bélico, para amar não presto!”
 
Ergueu sua velha garrucha luxenta,
Meteu-a para frente, perto do pescoço
Fechou o olho cego, fez mira na venta.
Observou o cortês, pobre moço!
Quando finalmente lançou o caroço,
Sua arma enferruja, o cabo é que esquenta!
 
Frustrou-se em sua impotência dual,
Teresa em cortejo, ele sem desejo
O moço mocinho, esperto e irreal;
Foi lamparinando, lampejo e lampejo
Por fora, rodou-se; por dentro, um beijo!
Para o coronel, um suspiro fatal!

Foi cegando do olho bom, triste beleza!
A garrucha riu-se da falha divina;
Achou-se no fim, final de sua leveza!
Tão sério, o amor, por aquela menina;
Perdeu-se tão longe, na vida latrina.
Nem mão, nem amor, nem um olhar de Teresa!



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui