Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2512)  
  Resenhas (130)  

 
 
Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)



Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)






   > A generosidade



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      PENSAMENTOS

A generosidade

                                                   
 
 
Certo dia o jovem Formoso ganhou um belo presente: maioridade.  E com os seus documentos em punho, uma mochila cheia de sonhos e alguns trocados no bolso decide jogar para o alto o que havia construído até então e começar do “zero” numa grande cidade.
 
Na primeira semana na metrópole, Formoso percebeu que marco “zero” para recomeçar não funcionaria. A teoria se diverge da prática. Precisava dividir despesas, apartamentos, sonhos e preocupações com outras pessoas. A  independência é  parcial. Pois os homens precisam uns dos outros. Às vezes não  plantamos o alimento que comemos, não molhamos as rosas que ganhamos, mas colhemos dos frutos  da vida que construímos para nós ou para os outros.
E não foram poucas as pessoas que ajudaram Formoso. Cada uma que cruzou o seu caminho deixou a sua contribuição, a sua marca na história daquele jovem. Cada qual mostrando as diferentes formas de ser generoso com o próximo. Mas uma pessoa se destacou das demais. Por quê? Porque essa preferiu o anonimato, fugir dos abraços e do reconhecimento.
Estava Formoso em um ponto de ônibus. De repente surgiram dois rapazes e apertaram com força o  seu braço,. Diante de uma multidão indiferente, levaram  todos os seus pertences.  Formoso ficou desnorteado. Distante de casa, sem saber  como retornar  sem dinheiro e sem celular... Até que uma mão feminina bate suavemente em seu ombro e lhe dá dez reais. Desaparecendo apressada no meio da multidão,  ainda ouve:
_ Ei, como fazer para lhe pagar?
Sem parar, como se fugisse de algo, uma voz generosa responde:
_ Faça o mesmo que eu fiz com outro necessitado!  

junho/2014



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui