Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
O RETORNO DE SORAIA
José Sodré de...
R$ 52,30
(A Vista)



Natureza-03-181
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > AS INSEPARÁVEIS



Edna Aparecida Filipim
      INFANTIL

AS INSEPARÁVEIS

            Eduarda, Sofia e Clarissa estudavam juntas desde o primeiro ano, e como eram amigas, gostavam de ser chamadas de “as inseparáveis’.
            Quando estavam no quinto ano, no início do segundo semestre, a professora apresentou para a turma, Brenda, uma aluna usuária de cadeira de rodas e que veio transferida. Em seguida, iniciou a aula de português.
            Quando o sinal tocou para o intervalo, os alunos saíram eufóricos, enquanto Brenda, devagarinho, conduziu sua cadeira até a porta. A professora queria acompanhá-la até o refeitório, mas a menina não quis.
            Uma semana se passou.
Em sala, Brenda fazia todas as atividades, porém sempre calada, e no intervalo, a porta era o seu lugar favorito.
            Era final de semana quando as inseparáveis se reuniram na casa de Eduarda para brincar de vôlei.  Quando a bola foi em direção de Eduarda, ela parou a brincadeira e disse:
            - Eu acho que precisamos dar mais atenção a aluna que veio transferida. Que tal chamá-la para brincar?
            - E como ela vai brincar? – perguntou Sofia.
            - É fácil! – completou Eduarda. Nossa escola é acessível para as pessoas com necessidades especiais, e se a escola oferece acessibilidade, nós temos que fazer a nossa parte.
            Clarissa entrou na conversa:
            - Eduarda você tem razão. Precisamos selecionar melhor as nossas brincadeiras.
- E vamos começar amanhã – ordenou Eduarda.
            E foi o que aconteceu. Quando o sinal tocou para o intervalo, Eduarda aproximou-se de Brenda e pediu para ajudá-la.
            A garota concordou balançando a cabeça.
            Eduarda conduziu a cadeira até a porta e perguntou:
            - Você gostaria de brincar com a gente?
            - Brincar? Acho que não é possível. Vocês vivem correndo! Já repararam como retornam suados do intervalo?
            Eduarda não desistiu e respondeu:
            - Claro que é possível. Hoje nós vamos brincar de “o que é o que é?
            - E você também vai brincar – completou Sofia que estava ao lado de Brenda.
A menina pensou um pouco e acabou concordando.
Primeiro foram ao refeitório, e após o lanche, dirigiram para a quadra coberta e brincaram até o sinal tocar.
Ao retornarem para a sala, a professora propôs para a turma, em grupo, ensaiar um teatro para apresentar no dia das crianças.
Clarissa que gostava de teatro foi logo dizendo:
- Brenda, você está convidada para fazer parte do nosso grupo.
Foram muitos ensaios e quando chegou o dia tão esperado para a apresentação, Brenda fez o papel de Alice no país da acessibilidade. História de uma garota usuária de cadeira de rodas e que não encontrava dificuldades para viver em sociedade. Texto escrito pelas inseparáveis, agora com mais integrante.
No final do teatro, Brenda pediu a palavra:
Eu gostaria de declamar
um versinho conhecido
mas, prefiro falar
o que eu estou sentindo.
Esta escola é bem legal
encontrei acessibilidade
e muitos amigos
para brincar.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui