Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (130)  

 
 
A Princesinha Adelaide...
Jayara Ribeiro Rocha
R$ 21,80
(A Vista)



Ruínas-03-332
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > E agora, José?



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CRôNICAS

E agora, José?

Há muito tempo lá pelas bandas das Minas Gerais, um poeta havia dito: “A festa acabou,  o povo sumiu... não veio a utopia”.  E o que eu, quem  nem mineira sou  para ficar comendo pelas beiradas, tenho a ver com isso? Se você caro leitor estiver pensando que irei falar da paixão nacional, sinto desapontá-lo, não bebo nem guaraná!

O meu assunto é bem sóbrio, desculpe-me, é sério. Na verdade é seríssimo.  Tenho até vergonha de falar de algo que não entendo, mas vou meter a  colher sim, porque entendo de impostos... Qualquer coisa, eu passo a bola! Ops,  passo a vez, falar em bola num período de Copa das copas é chamar para a briga. Chega de enrolação e vamos aos fatos.

Desde o início o mineirão avisou: Tem uma pedra no meio do caminho! Quem deu  ouvidos a educação? Ninguém. Quem ouviu a saúde? Ninguém. Quem ouviu a segurança pública? Ninguém. Quebraram  a cara!   Agora, tomo emprestado o “José”  do mesmo mineiro das “pedras” preciosas... Quem vai pagar essa conta? E agora, José?

_ Eu? Deixe-me em paz! Não tenho nada a declarar! Minha filha e eu estamos dando um tempo da política.  Quero gozar o meu maranhão, só meu... E da minha família, é claro!

Xi, bola fora! Sou persistente... E agora, JOSÉ ?

_ Já estou pagando pelos crimes cometidos e não cometidos do meu partido. Deixe-me em paz! Mensalão,  mensalinho... todo pagamento ilegal e mensal foi para minha conta. Então, quero gozar a minha luxúria na prisão.

Ninguém assume a culpa. Ah, falta um. Esse terá que assumir. Quem mandou pintar a Iracema com os lábios de mel? E agora, JOSÉ?!

_Será que estão falando comigo?! Vou fingir  de morto.  A mulher não quis o poder,  agora ela sozinha assuma os fracassos.

De novo bate na trave e  volta. Desnorteada grito:

_ E AGORA, JOSÉ?!  E AGORA, JOSÉ?!

Silêncio.  Vergonha. Silêncio. Vergonha...

  Olho para a televisão e digo baixinho:  E agora, José?!

_ Não olhe para mim... Falaram que a culpa é minha?!! Vou falar com Ana Maria Braga*.

           E sai de cena um louro furioso.

 
                             -------------------

                            Bahia/ 2014

* Apresentadora do programa "Mais você"

 

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui