Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)



Kalls - Amanhecer
Diego Lincoln Campos
R$ 42,90
(A Vista)






   > E agora, José?



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CRôNICAS

E agora, José?

Há muito tempo lá pelas bandas das Minas Gerais, um poeta havia dito: “A festa acabou,  o povo sumiu... não veio a utopia”.  E o que eu, quem  nem mineira sou  para ficar comendo pelas beiradas, tenho a ver com isso? Se você caro leitor estiver pensando que irei falar da paixão nacional, sinto desapontá-lo, não bebo nem guaraná!

O meu assunto é bem sóbrio, desculpe-me, é sério. Na verdade é seríssimo.  Tenho até vergonha de falar de algo que não entendo, mas vou meter a  colher sim, porque entendo de impostos... Qualquer coisa, eu passo a bola! Ops,  passo a vez, falar em bola num período de Copa das copas é chamar para a briga. Chega de enrolação e vamos aos fatos.

Desde o início o mineirão avisou: Tem uma pedra no meio do caminho! Quem deu  ouvidos a educação? Ninguém. Quem ouviu a saúde? Ninguém. Quem ouviu a segurança pública? Ninguém. Quebraram  a cara!   Agora, tomo emprestado o “José”  do mesmo mineiro das “pedras” preciosas... Quem vai pagar essa conta? E agora, José?

_ Eu? Deixe-me em paz! Não tenho nada a declarar! Minha filha e eu estamos dando um tempo da política.  Quero gozar o meu maranhão, só meu... E da minha família, é claro!

Xi, bola fora! Sou persistente... E agora, JOSÉ ?

_ Já estou pagando pelos crimes cometidos e não cometidos do meu partido. Deixe-me em paz! Mensalão,  mensalinho... todo pagamento ilegal e mensal foi para minha conta. Então, quero gozar a minha luxúria na prisão.

Ninguém assume a culpa. Ah, falta um. Esse terá que assumir. Quem mandou pintar a Iracema com os lábios de mel? E agora, JOSÉ?!

_Será que estão falando comigo?! Vou fingir  de morto.  A mulher não quis o poder,  agora ela sozinha assuma os fracassos.

De novo bate na trave e  volta. Desnorteada grito:

_ E AGORA, JOSÉ?!  E AGORA, JOSÉ?!

Silêncio.  Vergonha. Silêncio. Vergonha...

  Olho para a televisão e digo baixinho:  E agora, José?!

_ Não olhe para mim... Falaram que a culpa é minha?!! Vou falar com Ana Maria Braga*.

           E sai de cena um louro furioso.

 
                             -------------------

                            Bahia/ 2014

* Apresentadora do programa "Mais você"

 

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui