Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (129)  

 
 
Alerta das Estrelas
Francisco Ederaldo...
R$ 77,70
(A Vista)



O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)






   > Reminiscências; Saudades; O pequeno e grande muito saber



Fabrício Behine
      PENSAMENTOS

Reminiscências; Saudades; O pequeno e grande muito saber

...Lembranças...Estudo e aprendo com elas. Aprendo com quase tudo de que me vem ao alcance. Observo, constato os acontecimentos -- os fatos. Tudo é importante, até o avesso por vezes sem conta de discordar de mim mesmo, sobretudo porque estando vivo por pensar demais, este refletir, querendo o vislumbre de uma boa vereda, mesmo que estreita a seguir. Aprendendo por mim, e só por mim é que pude ter algo pulsante no coração sangrado e perdido, às vezes esquecido. Mas batendo! Saudades... Tempos e tempos se me passaram, e ainda tenho tantas saudades. Percalços de um andar capenga de cara sem saúde me fez acostumar-me a caminhar em minha mente, imaginando o Sol na face, árvores... não sei. O tempo se me foi, mas não o perdi; esse tempo foi estudo, dando-me até a mania de tratar os escritores dos quais absorvi o que sei como amigos, pois foram e são os meus amigos e mestres imaginários do cotidiano repleto de boas aprendizagens. Mario Quintana dizia (perdoe se bem não lembro) -- que o autodidata é um ignorante por conta própria. Muito bom! A sabedoria maior é a própria experiência da vida de cada um. E ninguém consegue refletir sobre tudo; há de sempre ter um foco, um escopo; sendo impossível pensar e chegar à conclusões absolutas, escolho ao menos tentar dar base ao que penso, conquanto tenha vontade muito grande de saber. Há sempre um limite. Eu tenho o meu, por certo! Saudades... Tenho muitas. Lembranças boas e ruins das quais tenho de lidar. Amores, perdas, tentativas vãs, escolhas malsucedidas, amigos-irmãos, estradas seguidas e desviadas do caminho da vida, brincadeiras de criança, um semblante leve no rosto, o vento ao usar da boa saúde e correr para esquecer tudo de que no momento precisara, e minhas pernas velozes -- fôlego bom e forte de não-quase fumante. Hoje vivo distante, tão-somente em mim me acho. Nem sempre posso escrever sobre satisfação e felicidade. Não seria humano, nem equilibrado. O bom é saber que, só em estar vivo, é alegria conquistada de muito querer e aprender. Em saudades, boas e más lembranças do meu pequeno viver. Estou vivo pela vontade, simples e certa, de apenas continuar, e mesmo que só em pensamentos encontrar-me e achar o hausto necessário para caminhar um tanto mais, um tanto mais, para, no momento do qual ninguém espera, poder realmente saber muito. Agradecimentos: José saramago; João Ubaldo Ribeiro; Ariano Suassuna; Rubem Fonseca; Lucio Cardoso; Caio Fernando Abreu; Jorge Amado; Graciliano Ramos, Clarice Linspector, Raquel de Queiroz e....................................................................................................

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui