Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
A leitura é...
Maristela Zamoner
R$ 31,20
(A Vista)



Objetos-01-088
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Vida simples em cujo fim é recomeço, desamor é amor, descrença é fé; Recompensa natural: Felicidade



Fabrício Behine
      PENSAMENTOS

Vida simples em cujo fim é recomeço, desamor é amor, descrença é fé; Recompensa natural: Felicidade

...Vivo um viver muito simples em que poucas coisas bastam. Um viver sempre em recomeço que, mesmo sem querer, se faz por natureza intelectual-sensitiva minha, conquanto já tenha recomeçado inúmeras vezes. Caminhado... E recomeço o que porventura termina com naturalidade, um enraizado impulso de continuar, porquanto já não posso e nem sequer sei como desacelerar a inquieta tentativa pouco esperta de nunca adormecer por demais em vida que, embora por um olhar distante, vivida... Refaço-me em persistência ferrenha de catar os cacos da derrocada de mim. E me sinto bem, bem demais às vezes tão-somente por isso. Esta simples percepção de que não posso, enquanto vivo estou, congratular-me exultante de deixar de sonhar. Filósofo é sonhador, medita o exato viver, e viver tendo renovadas forças para continuar é arte, suposto que artista, concluindo, através de suas árduas conjecturas, alguns próprios pensamentos e ideologias -- engendrando sua única filosofia. Porém nunca é perfeição. A realidade inimiga necessária é, para não desperceber o que de modo fácil se percebe, uma vez que em real estado se vive, consoante se busca a plenitude do ser. E assim se encontra nos próprios desencontros e desistidos planos, de antemão os esqueceres comuns em todos e em si. Existe-se sabendo consciente que sabe pensar. ( penso, logo existo!). Isso é antigo, o princípio de sempre tentar, já que se sabe existindo -- vivo! As ficções narradas não são realidade vivida, biográfica, mas um amálgama de experiência sentida e observada: refletida. Baseando-me no simples viver e pensar, é que tenho força para um eterno recomeço inesperado. Conhecendo-me no meu desconhecimento, acertando-me nos meus desacertos, amando nos meus desamores, crendo principiando descrente, é que amo o modo meu de recomeçar, sempre e sempre... Tornando minha vida uma busca acalentada por vezes pela felicidade -- não constante, mas inesperada. Uma vida simples, por si só, já é abençoada. Acarinhada pela esperança de cuja morte-fim não tenho conhecimento nem lembrança...

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui