Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)



Genealogia de...
Ana Maria Silva Lopez
R$ 47,30
(A Vista)






   > Sensação nostálgica



Erico Piantkoski
      POESIAS

Sensação nostálgica

Os céus, forjaram-se, por hoje, escuros em mescla várias técnicas, enciumando os plenos, nossos verdadeiros sentimentos pintados. Eles são negros. Chove frio e ainda não senti seu calor, senão a dor de minha amada, compartilhada em meu peito, zunindo ao horizonte sem fim. Sem fim não findam-se os pesares de arrependimentos passados que ainda assolam em suas juras. Grilhões que se não podem fender. Arbítrio que se não pôde conter.

E durante todo o tempo viu-me e sorriu, mentindo a si mesma, pregando sua farta alegria presa em lagares. Exsudação almejavas tu, era dela que você precisava. Não refreie-se amor, eu ouvi suas aspirações e tomei suas dores. Senti o gozo de seu contentamento e a angústia de sua tristeza sustendo o conhecimento dos riscos e perigos. Então ofereço o ombro em retribuição de seu coração. Ofereço o mundo em troca de tudo. Ofereço meus versos em troca de nada. Pois "nada espera, tudo suporta".

Mal sabe mas anjos caíram, rangendo seus momentos desolados e destituídos daquilo que é impalpável e seguro, sabendo eles aquilo que você sente e todavia não sabe descrever. É a névoa que espaça os fragmentos passados. É o minuto do porvir e não qual já passou. É ansiedade futura, esperança de liberdade, "ideia fixa dos loucos e dos sábios", sabida de tudo, entendida de nada.

Os anseios verdadeiros desabrocharam nos prantos de sua lamentação que, tão pura, contemplada pela natureza foi. Ela a qual ante veio e se maquiou para o espetáculo. O show daqueles que se retorciam mediante sua felicidade. O fim daqueles que cairão à conquista do correto. O correto sou eu, e isso não digo de vanglória como fruto de orgulho mas, sob perjúrio, de coerente rota, aquele o qual o coração não se dominou, redundando suas batidas como trovão.

Meu e seu se igualam e unido foi. O sexto sentido, aquilo que faltou agora se engrena. O que palavras não podem expressar nem língua redarguir. Aquilo que apenas os céus podem mostrar pois apenas os olhos o podem apreciar.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui